quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

A aterradora história do USS Indianapolis



No dia 16 de Julho de 1945, o Cruzador Americano Classe Portland USS Indianapolis deixou o porto de San Francisco na Califórnia, levando uma das menos desejadas cargas de todos os tempos: as peças principais e o Urânio enriquecido para a Bomba Atômica "Little Boy", lançada sobre Hiroshima algumas semanas depois. Com extremo cuidado, este belo navio lançado ao mar em 1930 levou um total de 10 dias para chegar ao seu destino final, em 26 de Julho de 1945, na pequena ilha de Tinian, no Arquipélago das Marianas, de onde o bombardeiro Enola Gay decolaria para uma das mais mortíferas missões já executadas. Após a "entrega", os 1.100 tripulantes do Indianapolis, incluindo seu capitão Charles Butler McVay III pareciam ter tirado um peso enorme de suas costas, e cumprindo ordens, chegaram à Ilha de Guam e fizeram troca de parte da tripulação. O cruzador deixou a ilha em 28 de Julho, seguindo para Leyte, nas Filipinas, onde esperariam pela aguardada ordem de invasão ao Japão.
Este alívio pode ter sido um dos principais motivos da tragédia que se seguiria. Durante seu trajeto de Guam até Leyte, o Capitão McVay manteve uma velocidade de 12 nós sem zigzag, deixando de realizar uma manobra básica para dificultar o lançamento dos torpedos japoneses na região. Mas às 00:14h do dia 30 de Julho de 1945 o submarino japonês I-58 percebeu a "displicência" de seu alvo e lançou 2 torpedos que atingiram o Indianapolis em cheio, afundando-o em 12 minutos. Cerca de 300 tripulantes morreram na hora, e os 800 restantes foram atirados ao mar, em pequenos botes ou apenas com seus coletes salva-vidas.
Mas foi ao cair na água que os marinheiros do USS Indianapolis perceberam que seu sofrimento tinha apenas começado. 30 minutos após o naufrágio foram avistados os primeiros tubarões, atraídos pela grande quantidade de sangue no mar, devido aos mortos e feridos no local. Desesperados, os marinheiros tentavam em vão afugentar os terríveis predadores, mas um a um marinheiros eram dilacerados pelos enormes peixes e arrastados para nunca mais voltar. Naquela primeira madrugada só se ouviam os gritos na escuridão, e ao nascer do Sol estima-se que mais de 100 marinheiros haviam sido devorados pelos tubarões.
Aguardando ansiosamente por um rápido resgate, os marinheiros tentavam resistir aos ataques, e esperavam não serem as próximas vítimas, imaginando que a ajuda chegaria rapidamente. Porém, a missão "atômica" do Indianapolis era tão secreta que poucos sabiam sua rota, e os náufragos do Indianapolis foram encontrados apenas 4 dias depois de forma totalmente acidental, pelo Tenente Wilbor Gwinn, durante um vôo de rotina.
Dos 800 tripulantes que haviam sobrevivido ao naufrágio, apenas 321 foram resgatados com vida. Cerca de 500 homens foram devorados pelos tubarões, ou sucumbiram à fome, sede e desidratação causada pela ingestão de água salgada. O desastre do Indianapolis não foi divulgado imediatamente pelo Exército Americano, que esperou o lançamento das bombas atômicas, e apenas no dia 15 de Agosto de 1945, logo depois do Presidente Truman anunciar ao mundo a rendição japonesa, a Marinha Americana anunciava a perda de um de seus principais navios no Pacífico.
O submarino japonês que afundou o Indianapolis rendeu-se em Setembro de 1945 e foi afundado pelos americanos em 1946, como alvo para exercícios militares.Este episódio é conhecido como o maior ataque de tubarões a seres humanos já documentado. Seria uma "punição divina" pela participação em uma das mais terríveis e covardes operações bélicas de todos os tempos ?
Na cidade de Indianapolis existe um Memorial ao navio batizado com seu nome, onde estão listados todos os mortos na tragédia. Uma lembrança de uma das mais aterrorizantes histórias da Segunda Guerra Mundial.

http://www.oarquivo.com.br/temas-polemicos/historia/326-a-aterradora-historia-do-uss-indianapolis-bomba-atomica-torpedos-e-muitos-tubaroes.html



Enviar um comentário