Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Traficantes de crianças angolanas detidos em Portugal





VOA Português

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras de Portugal revelou ter detido adultos que viajavam de Angola com crianças, como se elas fossem encomendas. Cinco adultos estão em prisão preventiva e nove crianças em lares de infância e juventude. A autoridades angolanas dizem ter reforçado a vigilância nas fronteiras.   
A primeira detenção remonta a 25 de Janeiro. Um homem viajava para Paris com uma criança de 10 anos e um par de adolescentes de 15 anos cada e tinha feito a rota Luanda,Libreville, Casablanca, Lisboa e Paris.
Apertado pelos guardas de fronteira, o homem confessou que receberia “milhares de euros” para passar aquelas crianças. Noutras ocasiões, já aterrara em Portugal na companhia de outras crianças. Alegou ser pago pelas famílias para as acompanhar até ao destino final. Volvidos poucos dias, apareceu outro homem, vindo de Paris, com falsos documentos a reclamar a paternidade do menino.
Em entrevista ao jornal português Público, o director nacional adjunto do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras de Portugal José van der Kellen diz haver alguma semelhança com os correios de droga.
Van der Kellen afirma que os traficantes pertencem a um certo estrato social, embora não sejam da elite, mas têm experiência de viagem, cruzam fronteiras com naturalidade e prestam qualquer esclarecimento que lhes for solicitado. Cobram quatro, cinco, seis mil euros pelo serviço.
Segundo aquele jornal português, não há suspeita de envolvimento das companhias aéreas, TAP e TAAG, porque os traficantes recorrem à falsificação intelectual dos documentos
Em entrevista à VOA, Simão Milagre, porta-voz do Serviço de Migração e Fronteiras de Angola, diz que o caso é do conhecimento das autoridades do país que têm trabalhado com Portugal.
Milagre explica que o Serviço de Migração e Fronteiras tem reforçado o seu combate ao tráfico de crianças e diz que os casos mais frequentes de tentativa de levar menores para fora de Angola têm a ver com conflitos entre casais.

Enviar um comentário