Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Benguela e Angola na Idade da Pedra





Benguela enfrenta crise energética
A falta de energia chega a 24 horas.
As principais cidades da província de Benguela enfrentam fortes restrições no fornecimento de electricidade e há munícipes que chegam a ficar às escuras quase 24 horas.

VOA

Os sucessivos apagões, já a caminho de um mês, são o resultado de uma avaria técnica no seu velho sistema de produção e distribuição, formado por centrais térmicas.
O Conselho de Ministros aprovou, nos últimos dias, a segunda fase do projecto de extensão das redes eléctricas, mas o certo é que o descontentamento acaba por ofuscar a medida do Executivo. 
Em situação normal, a produção de energia para Benguela, Lobito, Catumbela e Baía Farta ronda entre os 90 e os 100 Mega watts, insuficientes para fazer face à demanda.
O quadro tornou-se insustentável com a avaria nas centrais térmicas, ainda à espera de fontes hidroeléctricas para o reforço que se impõe.  Enquanto se aguarda pela entrada em cena da barragem de Lomaum, reabilitada mas condicionada a linhas de transporte, continua na ordem do dia o cenário de crise.
Vários munícipes, desesperados, falam da escuridão como factor que propicia actos de criminalidade e queixam-se de falta de condições para conservar os alimentos.
A 30 quilómetros de distância está a capital da província, Benguela, uma verdadeira fotocópia, com munícipes desesperados devido à escassez de um bem que determina o seu dia-a-dia.
Perante o silêncio da Direcção de Energia e Águas, o secretário de Estado Joaquim Ventura veio a público esclarecer que este problema vai levar muitos anos. O governante prefere destacar o «esforço financeiro» que tem sido feito em resposta às limitações no fornecimento de electricidade.
Com a extensão das redes, o Governo espera chegar a 2016 com uma cifra de 200 mega watts, tendo em conta as centralidades e os empreendimentos económicos.

Enviar um comentário