Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Angola. Intolerância Política no Ucuma tem o rosto da Polícia Nacional e do MPLA




Dez feridos graves e seis desaparecidos é o balanço de mais hediondo e bárbaro acto de intolerância política ocorrido este domingo, 10 de Agosto de 2014, na comuna da Chenga, adstrita ao município de Ucuma, a 90 quilómetros da cidade do Huambo. Entre os feridos estão os secretários municipais da UNITA e da JURA, Abel Carlos Tiago “Lito” e Luís Chianga, respectivamente, que foram vítimas de violência organizada pelo Comandante Municipal da Polícia Nacional, George Mbaluku “Sankara”.

www.unitaangola.org

Foi mediante ordens baixadas por esse oficial da PNA que os militantes da UNITA foram atacados e feridos por elementos da Jmpla.
"Executem o Secretário, é muito teimoso" disse terminantemente George Mbaluku Sankara aos partidários da Jmpla e agentes da PNA a paisana recrutados para fazer a confusão contra os militantes da UNITA, que desde o sábado resistem às provocações.

A UNITA gozando do direito que conquistou de Partido Político tem trabalhado no sentido de implantar as suas sedes em todo o território nacional e fazer conhecer os seus símbolos. O MPLA inconformado com a força da UNITA junto do povo, instrumentaliza os sobas e as administrações para a prática de actos que violam a Constituição da república de Angola (CRA) e minam o espírito de coabitação e convivência na diferença.

Foi o que passou na Comuna da Chenga, onde o MPLA, além de retirar a bandeira da UNITA pretendia destruir a casa do Secretário local, Jesse Balança e assassinar a sua família.

Foi para evitar que o representante da UNITA fosse morto que uma comitiva do Secretário Municipal se deslocou a Chenga e lá encontrou jovens da Jmpla de várias aldeias que disseram terem recebido instruções para assassinar os membros da UNITA.

Depois de esclarecidos sobre as verdadeiras intenções da UNITA, os membros da Jmpla desmobilizaram-se, mas Sankara que queria ver, a todo o custo, sangue vermelho jorrar em vão, atraiu o dirigente da UNITA, Abel Carlos "Lito" para uma emboscada, tendo ordenado os seus homens para que "executassem" o Secretário.

“Achei estranho ao chegar junto ao Comandante Sankara cumprimentei e este não me respondeu e daí mesmo disse aos seus homens da Jmpla e da policia vestidos à civil para que me executassem”, disse Abel Carlos Tiago, que apresenta ferimentos na cara e na boca resultantes de golpes de pedras atiradas contra si.

Além de feridos, há o registo de seis pessoas desaparecidas, cujo paradeiro se desconhece.

O Secretariado do Executivo Provincial da UNITA denunciou em Comunicado e com veemência a postura adoptada pelo regime do MPLA na província, de usar a violência contra os militantes da UNITA.

“Depois das prisões arbitrárias dos responsáveis da UNITA na Savitangayala, do atentando contra a integridade física do Sr. António Julião Kamela Secretário Municipal da UNITA no Longonjo, ocorrem, desde dia 09 de agosto de 2014, no Município do Ucuma, violentos ataques contra os militantes da UNITA, num olhar impávido da polícia nacional. Destes ataques resultou o ferimento grave do Senhor Abel Carlos Tiago Secretário Municipal da UNITA no Ucuma e o desaparecimento de alguns membros do seu Executivo”, lê-se na nota.

A UNITA no Huambo apela ao Presidente da República Angola Engº José Eduardo dos Santos e ao Governador Provincial do Huambo no sentido de persuadirem os dirigentes do MPLA a pôr cobro a estas práticas anti - democráticas que perigam o clima de paz, de unidade e reconciliação nacional.








































Enviar um comentário