terça-feira, 26 de agosto de 2014

Luanda. O que vemos nestas fotos?





O polícia com o braçal 2563 da Divisão de Cacuaco foi apanhado hoje numa das suas habituais irregularidades que sempre passam impunes.
Mandou parar um kupapata (motoqueiro-táxi) e no processo de mostragem de documentos apercebeu-se que o cliente era estrangeiro e pediu que exibisse os seus papéis.
Este último exibiu-lhe cópias da sua documentação e quando o polícia lhe perguntou pelos originais, respondeu que ficam em casa para não correrem o risco de ser extraviados.
Ato contínuo o polícia determinou que o cidadão tinha de ir para a esquadra e vejam o que ele fez: algemou o cliente usando o kupapata como poste, abraçando-o por trás!!!
Isso cabe na cabeça de alguém? Só na de homens maldosos com farda da Polícia Nacional de Angola e por isso mesmo a população insurgiu-se e começou a gritar que era uma injustiça e que o taxista não tinha nada a ver com esse assunto para ser humilhado dessa forma.
O atrasado mental do polícia ainda rosnou, mas como a população insistiu, acabou por ficar envergonhado, libertando o kupapata e tirando as algemas ao cidadão estrangeiro.
Pararam de seguida um desses táxis informais (turismo), um corolla "bolinha" azul e obrigaram o taxista a transportá-los, dizem eles, para a esquadra.
Cacuaco é um antro de polícias criminosos e corruptos. Os munícipes conhecem bem a máfia montada por um agente que atende pelo nome de Mapanda, que surrupia as motas dos cidadãos, levando-as para sua casa, como seu espólio pessoal (pirata), vendendo-as de seguida ao desbarato. A "squad" dele chama-se de "Turma do Mapanda" e inclui sobrinhos seus menores de idade que fazem esse mesmo trabalho usando o seu nome para o "legitimar". Voltaremos a falar deste criminoso noutra ocasião.
Histórias da nossa nguimbi!
Central Angola. Facebook


Enviar um comentário