sábado, 13 de junho de 2015

Coreia do Norte fornece ajuda militar a Angola, em violação das sanções da ONU - Washington Times


A Coreia do Norte está fornecendo matérias militares e treinamento a república de Angola em aparente violação das sanções das Nações Unidas, de acordo com fontes diplomáticas asiáticas.
A assistência militar inclui fornecimento de barcos e peças de reposição para barcos de patrulha norte-coreanos vendidos para os militares angolanos nos últimos seis anos. Além disso, instrutores militares norte-coreanos estão fornecendo instrução de armas e apoio de segurança para guardas presidenciais angolanas, de acordo com informações recentemente obtidas.
Semelhante apoio militar da Coreia do Norte foi também feito na Uganda e Tanzânia em violação das sanções da ONU sobre a Coreia do Norte.
Segundo as fontes detalhes que, empresa norte-coreano, Saengpil Associated Co., está fornecer motores marítimos e peças de reposição para 18 barcos de patrulha da marinha angolana desde 2011.
O representante Saengpil em Angola é comandado pelo oficial Kim Hyok-chan, que trabalha em Angola desde 2008 e este oficial militar norte-coreano que comanda os negócios de armas entre os dois países. Kim também é segundo secretário da embaixada norte-coreana em Luanda, na capital angolana.
Acordos entres governo norte-coreanos e angolanos sobre fornecimento de barcos de patrulha foi feito em agosto de 2009, quando técnicos angolanos foram treinados sobre a reparação e manutenção de barcos. Os barcos de patrulha norte-coreanos, descritos como 100s PB e fornecimento destes barcos começou em março de 2011. A renovação do acordo para a reparação e manutenção foi concluída em Janeiro de 2013.
Saengpil é uma empresa da Coréia do Norte Green Pine Associated Corporation, que foi sancionado no passado pela Organização das Nações Unidas. Ambas as entidades são parte da Reconnaissance General Bureau, a organização em ação da inteligência secreta norte-coreana.
Saengpil está se preparando para enviar 4,5 toneladas de materiais de manutenção de barcos de patrulha via contentor para porto de Luanda através de uma empresa de fachada norte-coreano na China identificado como Pequim New Technology Trading. As mercadorias foram descritos como tubos de aço inoxidável, parafusos e porcas que são considerados como produtos de dupla utilização civil-militar, mas estão a ser utilizados para os barcos de patrulha.
Beijing New Technology tem sido utilizados como representante da empresa norte-coreano Changgwang Trading como um veículo fundamental para contornar as sanções da ONU. Tanto o governo dos Estados Unidos e as Nações Unidas têm sancionada CHANGGWANG.
Além disso, oito motores de barcos que se acredita ser destinado para os barcos de patrulha estão em vias de ser vendido para os angolanos por governo de Pyongyang. Os motores estão sendo disfarçado em documentos de expedição como equipamento de gases de escape.
Os motores de barcos estão sendo enviados para "MGA / FAA Marinha de Guerra de Angola, FAA e é a sigla para Forças Armadas Angolanas.
A administração Obama ainda não tomou medidas em resposta aos relatórios das violações sanções das Nações Unidas pela Coreia do Norte na venda de materiais militares a Angola
Porta-voz do Departamento de Estado não quis comentar sobre o comércio ilícito militar entre Coreia do Norte e Angola. Os porta-vozes da ONU não fez também nenhum comentário sobre assunto e submeteu ao embaixador da Espanha na Nações Unidas, Roman Oyarzun, que dirige o comitê de sanções da ONU à Coréia do Norte. Florentino Sotomayor, pressiono conselheiro da missão espanhola da ONU e se recusou a comentar.
Hugh Griffiths, diretor do painel e Peritos da ONU, também não quis comentar.
Duas décadas de suporte técnico militar
O treinamento militar angolanos pela Coreia do Norte inclui o envio de instrutores militares norte-coreanos a angola datada há mais 20 anos.
Os conselheiros militares normalmente retornar à Coréia do Norte em Dezembro e regresso a Angola em março. Eles estão alojados em um prédio do outro lado da rua da sede da Unidade de Guarda Presidencial, conhecido como UGP.
Dez Instrutores Militares Norte-Coreanos estão treinar artes marciais para Guarda Presidencial angolano na seção Futungo de Luanda. Outro grupo de 30 instrutores militares norte-coreanos estão envolvidos em treinamento de armas de fogo em um campo de treinamento UGP na seção Benfica de Luanda.
O mais recente relatório do Painel de Peritos da ONU sobre a Coreia do Norte, publicado em Fevereiro, disse que a formação das forças de segurança de Uganda pela polícia norte-coreano viola a resolução do Conselho de Segurança da ONU de 2009. As sanções da ONU contra Coréia do Norte, são proibida "exportar formação técnica, assessoramento, prestação de serviços ou assistência relacionada com fornecimento de matérias militares e manutenção de todas as armas ou material."
As sanções da ONU foram impostas após a Coreia do Norte tinha realizado teste nuclear subterrâneo em 2009.
"Com base nestes casos, o apoio da Coréia do Norte para treinamento militar em Angola podem ser consideradas atividades ilícitas", disse um diplomata.
Bruce E. Bechtol, um ex-funcionário da Defense Intelligence Agency que se especializou nos assuntos norte-coreanos, disse que um grande número de países Africanos continuam a usar armas da era soviética dos anos 1960 e 1970, com orçamentos limitados para impediram as compras das novas armas moderna.
"Assim, a Coréia do Norte tenha encontrado um mercado muito rentável para proliferar a vasta gama de armas, da era soviética convencionais que continua a fabricar autóctone", disse Bechtol, hoje professor na Angelo State University. "A Coreia do Norte está vendendo tudo, desde tanques a rifles e munições, e também está reformando muitos desses sistemas mais antigos para um número das nações Africana."
Pyongyang também forneceu treinamento militar para vários unidades em África, e o pagamento é feito muitas vezes sob a forma de mercadorias, embora o dinheiro também é usado.
"Como em outras regiões do mundo, a Coreia do Norte elaborou um conjunto sofisticado de empresas de fachada e uma rede para continuar a gerar dinheiro para o regime de Kim", disse Bechtol. 
O relatório do painel da ONU a partir de fevereiro disse que a Coréia do Norte continua "a desafiar as resoluções do Conselho de Segurança, ao persistir com seus programas nuclear e de mísseis balísticos." O painel também disse que "não vê nenhuma evidência de que o país pretende cessar as actividades proibidas e encontrou amplas evidências de resiliência e "adaptação nos esforços [da Coreia do Norte] de contornar as medidas impostas pelas resoluções pertinentes.
Tradução feito pelo Paulo Kapali

ANGOLA24HORAS
Enviar um comentário