Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Moçambique. População insurge-se contra os maus-tratos da JINDAL em Tete



verdade.co.mz

Os maus-tratos e as humilhações protagonizados pela mineradora indiana JINDAL contra as famílias dos povoados de Cassoca, Cassica, Luane, Dvinda e Gulo, no distrito de Changara, província de Tete, continuam sem fim à vista e as autoridades não mexem nenhuma palha no sentido de evitarem as precárias condições de vida a que a população está sujeita. Na última terça-feira (12), algumas famílias que por falta de reassentamento vivem dentro da área mineira a céu aberto tentaram, mais uma vez, paralisar as actividades daquela firma com o propósito de evitarem danos humanos e ambientais, mas o seu grito de desespero foi reprimido com a ajuda da Polícia.
A comunidade de Cassoca, por exemplo, a qual os habitantes de Cassica, Luane, Dvinda e Gulo se juntaram naquele dia para exigir justiça e dignidade, queixa-se constantemente de vários problemas que ameaçam a sua saúde, tais como a poluição sonora e do meio ambiente, contaminação de solos e da água. Porém, ao que tudo indica, as autoridades não dão nenhuma importância àquela gente cuja esperança de um dia ter uma vida digna está depositada nas organizações não-governamentais, as quais sofrem ameaças contínuas durante as suas acções, que visam salvaguardar os direitos fundamentais dos cidadãos.
Em todas as comunidades onde as multinacionais ludibriam os nativos com o beneplácito do Executivo, o refrão das lamentações é o mesmo: “nós fomos informados de que seríamos movidos. Nós não queríamos vir. Esta é uma decisão do Governo. Eles deram-nos papéis dizendo que temos de mudar”, indica uma relatório intitulado “Mineração, reassentamento e meios de vida perdidos”, o qual acrescenta que da mesma forma, um ancião do sexo feminino e chefe de família, narrou durante a pesquisa: “O Governo disse-nos que não havia escolha”.
Sem nenhuma consulta ou discussão, por sua vez, o administrador do distrito entra em cena e ordena: “Todo o mundo tem que se mover porque o projecto está indo adiante. Apenas nos disseram que a decisão (já) foi tomada”.
Aliás, à semelhança de centenas de oleiros de Moatize, que desde 2009 vivem de costas voltadas com o governo do distrito de Moatize e a empresa brasileira Vale Moçambique, em virtude de uma promessa de reassentamento que nunca foi cabalmente cumprida, as reclamações da população de Cassoca, Cassica, Luane, Dvinda e Gulo sobem de tonalidade, de ano para ano, e já constituem um coro monótono, de tal sorte que os proprietários daquelas minas de carvão a céu aberto, cuja exploração é feita com recurso a dinamites e outros explosivos, humilham e maltratam aquelas famílias a seu bel-prazer.
As cerca de 500 famílias afectadas pelo projecto da JINDAL e que se encontram a viver dentro da concessão mineira, sem reassentamento ainda, e que cederam as suas terras, onde obtinham renda para a sua subsistência e dos seus dependentes, para dar lugar à extracção do carvão, viram a suas vidas mudarem drasticamente para o pior num processo que envolve o Governo, que, agora, em vez de lutar pelo bem-estar da população, mantém-se impávido e sereno.
O sofrimento a que a população daqueles povoados está sujeito é típico em Tete e há poucas acções do Executivo com vista a evitar tal problema. Centenas de nativos foram reassentados involuntariamente para ceder o lugar à mina de Benga e “sofreram enormes desvantagens”, pois “não tinha escolha senão mudar-se das margens férteis do rio Revuboé, em Capanga, para Mualadzi, um local remoto com solo de má qualidade e fornecimento inseguro de água para uso pessoal e agrícola”, lê-se no documento a que nos referimos anteriormente.
“Este ambiente físico severo colocou em risco os meios de vida, sendo a segurança alimentar um desafio de imediato. Além das severas condições físicas, a localização remota de Mualadzi e as pobres infra-estruturas de transporte reduziram o acesso ao emprego e a outras oportunidades económicas”, o que fez com que muitas pessoas ficassem sem meios de sustento para si próprias e suas famílias, indica a pesquisa.
Em Cassoca, neste momento, a mina está a menos de um quilómetro de atingir as casas, o que gera receios em relação ao futuro da população que também se queixa de problemas respiratórios, mortes, incluindo os animais. Há pessoas que disputam pequenos cursos de água com o gado bovino. A agricultura, que outrora era o garante da subsistência, tende a não ser alternativadevido à má qualidade dos solos.
As famílias em causa, contou Samuel Mondlane, da Justiça Ambiental, vivem em regime fechado porque para saírem e entrarem na sua comunidade são obrigadas a passar pela cancela e pelos escritórios da mineradora, o acesso a elas está bastante condicionado e depende da “boa vontade” da Jindal, são vigiadas e não circulam livremente. Elas são desempregadas e manifestaram-se, sobretudo, contra a poluição ambiental e o não cumprimento das promessas do seu reassentamento.
Segundo o nosso interlocutor, as doenças respiratórias tendem a aumentar devido a poeiras que chagam a atingir dezenas metros de altura. “Todos os anos há pelo menos duas a três manifestações”, mas nada muda. “Os próprios trabalhadores reclamam também da falta de meios de protecção, por exemplo, e revoltam-se”.
Samuel Mondlane disse também que os maus-tratos a que a comunidade de Cassoca está sujeita são estimulados pelos líderes locais, que se submetem às exigências dos gestores da JINDAL e fazem vista grossa a uma série de irregularidades em troca de trabalho na mina. “São os mesmos líderes instrumentalizados que perseguiam as comunidades e proferiram ameaças contra elas”.


Enviar um comentário