Com a conivência do re­gime, os vampiros con­tinuam a sugar o sangue dos angolanos. António Roque, (português) direc­tor técnico da empresa Damer Gráficas, propriedade do Grupo Media Nova, inaugurada ofi­cialmente a 13 de Novembro de 2008 pelo então ministro da In­dústria, Joaquim David. António Roque é bem claro quan­do, no seu facebook, diz: “COMIGO TUDO EM FORMA, EMBORA NESTA TERRA DE PRETOS. MAS A MALTA RE­SISTE” In FOLHA8

sábado, 10 de Dezembro de 2011

A fundação do MPLA?


Ao Manifesto do MPLA, datado do dia 10 de Dezembro de 1956, fui buscar a seguinte passagem aludindo à fundação de um “amplo movimento popular": «O movimento, no entanto, só poderá nascer a partir duma aliança de todos os patriotas angolanos no seio de uma organização única. O movimento será o somatório das actividades de milhares e milhares de organizações (…)». Será que alguém me poderá explicar de que modo foi possível interpretar este texto escrito no futuro (“o movimento só poderá nascer”) em prova de existência dum movimento popular de libertação nacional no presente, isto é, na altura em que o dito Manifesto (que era do PLUAA e não do MPLA) foi escrito por Viriato da Cruz! Há anos que estou à espera, mas ninguém ainda me explicou

Já eu próprio comentei e o comentário bazou. Estranho! Só escrevi que ninguém me poderia explicar esta aberração, porque não há explicação nenhuma: o MPLA não foi, pura e simplesmente, fundado a 10 de Janeiro de 1956. Da mesma forma que Jesus Cristo não nasceu a 25 de Dezembro do ano... Zero. E acrescentei: «É dia do Natal do MPLA, portanto, parabéns ao MPLA. Sem malícia...» Se tirarem esta, vou reescrever. Já está gravado.

Francamente, ninguém me ajuda a desvendar este mistério?
António Setas no Facebook

1 comentário:

ELCAlmeida disse...

Há perguntas que são tão historicamente doridas que, às vezes, voam no etéreo...
Cumprimentos
Eugénio Almeida