SOS ONU. O TERROR GOVERNA LUANDA. banco millennium Angola, o crematório nazi. Fechar portas e janelas porque terríveis toneladas de fumo do gerador da morte horrível da engenharia criminosa dos tugas que tudo fazem para nos exterminarem para que consigam empregos. As crianças, bebés morrem cancerosas dos pulmões porque o ordens superiores o ordenou. Em Luanda sem matar não se pode facturar. Os tugas têm que nos matar em todos os apartamentos nos gasear. É na rua rei Katyavala em frente à Angop

sexta-feira, 13 de Novembro de 2009

Unita: a Traição como a Separação do Trigo e do Joio (Fim)


PEDRO KUFUNA

Tratam-se de Miguel Nzau Puna e Tony da Costa Fernandes, ambos fundadores da Unita, que, por seis milhões de dólares (não recebidos até hoje na totalidade), não hesitaram em trair a força política que haviam fundado e dedicado grande parte das suas vidas. Rezavam no contrato, funções diplomáticas e uma reforma dourada.

http://www.ovimbundu.org/

Como tal, deviam vir a público e “diabolizar” a imagem de Jonas Savimbi com objectivo de reduzir, ao máximo, o número de votos. A estratégia consistia em explorar e manipular, até à exaustão, a “queima das bruxas” e a morte de Tito Chingunji o que foi, de facto, conseguido. Posto isso, foi oferecido a Nzau Puna, o cargo de embaixador extraordinário e plenipotenciário da República de Angola, no Canadá, enquanto a Tony da Costa foi atribuída à mesma função, em Londres e, mais tarde, na Índia. Pouco se sabe do desempenho diplomático dos dois, embora Tony da Costa se tenha destacado, em Londres, mais pelas saias que pela diplomacia.
Nzau Puna é, actualmente, deputado do MPLA.

Não deixa de ser frustrante e desencorajante ver o percurso desses dois homens que, da UPA-FNLA, fundaram a UNITA para, finalmente, acabaram por militar na força que mais dores de cabeça lhes dera, o MPLA.
Não é por acaso que se diz que os traidores só merecem desprezo.
No entanto, as coisas não terminaram por aí. Nos confrontos que decorreram em Angola logo após as eleições legislativas, de 1992, o MPLA aprendeu uma lição que lhe iria servir para arquitectar sua estratégia político-militar: em tempo de guerra mais importante que aliciar os políticos é fazê-lo às altas patentes militares do exército adversário. Assim, através de promessas de promoção ao generalato, com todas as regalias a ela subjacentes (vida faustosa sustentada por diamantes) foi concertado um plano de aliciamento dessas altas patentes.

General Sachipengo Nunda
De 1992 em diante assistimos, tal qual numa passarela, a deserção e, a correspondente, traição de vários oficiais. Só para citar os mais representativos, temos o caso dos Generais Adriano Makevela Mackenzie (actual chefe da Direcção Principal de Preparação de Tropas e Ensino do Estado-Maior General das FAA) e membro influente do consórcio Thales/Sadissa/Importex; Jacinto Ricardo Bandua (abandonou a Unita em 1999,foi ajudante de campo de Jonas Savimbi e chefe da logística militar). As suas informações foram cruciais para a desestruturação militar da UNITA no Bailundo e no Andulo; Diógenes Malaquias, “o Implacável” (ex-chefe da Divisão de Operações do Estado maior general da UNITA). Este rendeu-se no ano 2000 e desempenhou um papel determinante na localização de Jonas Malheiro Savimbi; Sachipengo Nunda, hoje vice-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas de Angola. Foi precisamente Sachipengo Nunda e os coronéis Kivo e Calado que perseguiram Jonas Savimbi até ser localizado e morto.
Pode parecer caricato, e até anedótico, mas não nos esqueçamos que, para maior desprezo dos seus adversários, foram precisamente Nunda e Implacável a quem o governo delegara para o “armistício” com o que restava da ala militar da UNITA.

Jorge Alicerces Valentim
Terminada a guerra, e quando se pensava que o suborno e as traições eram coisas do passado, eis que somos surpreendidos, nas eleições legislativas de 2008, com outras traições que criaram um mal-estar aos angolanos, e mostrar quão viciado é o faire politique em Angola. Dessa vez coube a Jorge Valentim vestir-se da pele de cordeiro: a troco de 8 milhões de dólares deveria fazer a campanha do MPLA, em Umbundu, na área rural de Benguela. Para além de Jorge Alicerces Valentim houve igualmente outras tantas traições, embora sem os efeitos causados por estes. É de citar Marcial Muji Itengo, ex-governador da Lunda Sul e o caso de Adolfo Aparício, antigo secretário da UNITA do Kwanza Norte, que diante do incumprimento do MPLA, em cumprir com o prometido, e devido às guinadas do estômago pediu a UNITA que lhe perdoassem.
É esta a forma, excessivamente inquietante de se fazer política, que mostra que a relação entre a política e a ideologia, em Angola, é ainda uma miragem.

Marcial Muji Itengo (ex-governador da Lunda-Sul)
Quer se goste ou não da UNITA, a verdade é que esta força política ainda será por muito tempo a segunda força política do país, podendo, inclusivamente, em eleições justas livres e transparentes, subverter a tendência. E dada a sua amplitude nacional e a experiência governativa herdada do GURN ninguém duvida que tem os condimentos necessários para governar Angola.
É tudo uma questão de tempo.
Sobre as traições, apesar das suas consequências devastadores, são um mal que veio por bem: têm permitido extirpar as ervas daninhas da horta.

Imagem: http://pissarro.home.sapo.pt/agost.rosa.savimbi.jpg

Sem comentários: