Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Luanda e os chineses na fase experimental do desastre da energia eléctrica



E quando a barragem de Kapanda arrancar, Luanda não terá mais falta de energia eléctrica. Assim falaram!
Brincalhões! Se até onde a barragem está localizada – na cidade de Malanje – também está apagada, trabalha a geradores. Torna-se evidente que pretendem extinguir a energia eléctrica para obrigar ao uso dos geradores, pois quem governa detêm essa negociata. E quem é que vai aguentar tal poluição chinesa?
Acredito que é a máfia chinesa que está por trás do desastre da energia eléctrica de Luanda.
E assim, o MPLA é como um ciclone, um terramoto, um maremoto. MPLA é uma calamidade natural. MPLA é muito devastador, só assim é possível explicar o fim da energia eléctrica.
Segundo o porta-voz da EDEL na Rádio Kairóz – Emissora Metodista de Angola, o corte de energia eléctrica do dia 24 até dia 25 de Fevereiro, dezasseis horas – foi uma empresa chinesa (?), que danificou o cabo, mas se são sempre eles, porquê não os denunciam publicamente? Ou já gozam do estatuto do colono? – Há vários anos que isto é constante, um hábito destruidor. Quer dizer que os constantes cortes se devem a danificações de cabos por parte de empresas? Até onde chega a justificação da incompetência!
Até os electrões da energia eléctrica corromperam!

Imagem: já assim falavam em 17 de Novembro de 2009… e desde 1975.

Enviar um comentário