Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

terça-feira, 3 de junho de 2014

ANGOLA. Professores entram em greve na Huíla


Sindicato acusa Governo provincial de não cumprir o prometido e o Executivo diz que está a tentar resolver o problema e apela à calma.

Teodoro Albano
VOA

O ensino geral na Huíla está em greve por tempo indeterminado a partir desta segunda-feira.
É a terceira paralisação no sector no espaço de dois anos. As razões são as mesmas: actualização da carreira docente de mais de cinco mil professores, pagamento de subsídios de 2001 e a implementação da tabela de direcção e chefia.

Numa ronda efectuada esta manhã foi possível constatar um cenário de greve em todas escolas sem alunos e com professores do lado de fora e os panfletos com dizeres: "Estamos em greve".

O secretário provincial do sindicato de professores na Huíla João Francisco numa primeira apreciação à greve mostra-se satisfeito pelo nível de adesão.

“Nessa altura temos apenas alguns dados a nível do município do Lubango, apesar de que o município do Lubango é o centro e naquilo que o centro nos pode mostrar deu-nos a entender que a greve está sendo bem aceite”, disse.

O problema com a entidade patronal arrasta-se desde 2011. João Francisco revela que até aqui o Governo tem falhado com as promessas que faz.
“Três problemas fundamentais que o Governo dessa província assumiu o compromisso de resolver: primeiro em 120 dias falhou, depois em seis meses falhou e depois os professores deram um abono de mais 40 dias e também falhou”, disse.

A proposta apresentada pelo Governo no último encontro de negociações não agradou os professores.

“Para nós responder positivamente  só se eventualmente o Governo resolver o problema das actualizações na sua totalidade ou pagar a dívida na sua totalidade e depois complementar com o processo de direcção e chefia; significa que um desses assuntos pode acautelar o problema mas metade de um desses assuntos não resolve o problema”, concluiu o sindicalista.

Em comunicado lacónico lido na emissora oficial da rádio local, o Governo apela aos pais e encarregados de educação a manterem a calma e garante esforços tendentes a ultrapassar o problema.
Imagem: João Francisco, Presidente do Sindicato dos Professores na provincia da Huíla, Angola
Enviar um comentário