Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Jornal de Angola: “ Lisboa continua orgulhosamente só”






No mesmo dia em que o Jornal de Angola dá grande destaque - manchete e foto de primeira página - ao encontro de segunda-feira entre Dilma Rousseff e José Eduardo dos Santos e aos vários acordos assinados entre Brasil e Angola, o editorial da publicação volta a apontar baterias a Portugal.

http://economico.sapo.pt

“A relação com o Brasil, cada vez mais estreita e robusta, mostra de uma forma muito evidente os equívocos das elites portuguesas corruptas e ignorantes em relação a Angola. Péricles, o grande cartoonista brasileiro, criou nas páginas da revista “Cruzeiro” o imortal “Amigo da Onça”. Hoje essa figura bisonha e cínica assenta que nem uma luva nas mesmas lideranças políticas em Portugal. É difícil perceber tanto anacronismo e tanta cegueira política”, lê-se no editorial de hoje.
“Praia, Bissau, São Tomé, Maputo e Brasília nunca foram palco de conspirações contra Angola. Só Lisboa, orgulhosamente só, continua a dar guarida a todos os inimigos da democracia angolana, estendendo-lhes a passadeira vermelha e ao som de trombetas e fanfarras. Cada qual escolhe os amigos que quer. Portugal escolheu a Jamba e agora escolhe os antigos colaboradores de Savimbi”.
Ao elogiar a parceria estratégica de “muitos anos” entre Angola e Brasil - Dilma deu ontem o seu apoio à candidatura angolana a membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas  - o jornal envia recados para Lisboa: “Esta relação não é interesseira nem flutua ao sabor dos acontecimentos. O Brasil foi o primeiro país do mundo a reconhecer Angola no dia 11 de Novembro de 1975. Entre os países de língua portuguesa, apenas um ficou de fora: Portugal”.
O mesmo texto diz que ao longo de décadas de agressão estrangeira “apenas o Governo de Lisboa tolerou acções contra Angola, dentro do seu território”. “Mesmo quando a ONU impôs sanções aos dirigentes da UNITA, Lisboa fechou os olhos e arrastou os pés.”
E lembra alguns dos episódios que considera de deslealdade: “Jonas Savimbi foi recebido no Palácio de Belém pelo Presidente Mário Soares, quando as suas tropas, organizadas e comandadas pelos generais do apartheid, matavam milhares de civis angolanos, provocavam êxodos de milhões de pessoas, destruíam importantes complexos económicos e todos os circuitos de produção e distribuição, fazendo de cada angolano um cidadão sitiado”. 

Enviar um comentário