terça-feira, 24 de junho de 2014

Caça aos Professores na Huíla. Alexandre Neto Neto





Professores Temem pelas suas Vidas

Pelo menos 13 professores estão detidos na  DIPIC, e a manifestação que pretendiam realizar ficou abortada pela polícia, na tarde deste  sábado na cidade do Lubango.

A policia aproveitou a ocasião para uma demonstração de força, ao trazer para as ruas o melhor do que tem em material de guerra, como  canhões e armas metralhadoras. A polícia segundo testemunhas, perseguiu nas ruas da cidade qualquer que fosse o transeunte que trajasse roupa preta, disparando granadas de gás lacrimogéneo, antecipando-se a concentração dos professores prevista  para junto do jardim na Sé Catedral.

Entre os detidos contam-se 7 senhoras, uma grávida e um bebé de nove meses. Contam-se ainda dois responsáveissindicais, nomeadamente António Kandjaviti e Eduardo Gomes, ambos do secretariado provincial e municipal respectivamente. A polícia segundo João Francisco do Simprof,  desencadeou uma “caça as bruxas”, situa-se pela qual se temia  que prossiguisse noite adentro.

A organização diz ter cumprido todas as formalidades  legais. Na quinta-feira, adiantou o Secretario provincial do Sinprof,  coube inclusive à Maria João Chipalavela, Vice-governadora, responder o ofício, informando os professores em como tinha tomado conhecimento. "Não se compreende o porquê da intervenção policial hoje verificada" deplorou a nossa fonte.

Os professores da Huíla  declararam greve no dia 2 do correntemês. Desde então têm recebido ameaças do governador provincial Marcelino Chipingue, que considera haver uma mão invisível por detrás da paralisação dasaulas.

Recentemente o também dirigente do MPLA na  província fez um apelo aos militantes do seu partido no sentido destes regressarem as aulas sem pré-condições.

As reivindicações dos professoresna Huíla começaram em 2007, altura em que a província era ainda governada por Ramos da Cruz.
A sucessiva mudança de governadores não ajudou a encontrar a soluções, antes pelo contrário, resultou num acumular de promessas não concretizadas. Isaac dos Anjos tornou-se no mais controverso dos governadores,  quando levou  os professores para o tribunal, acusados do crime de calúnia e difamação.

Alguns dos professores hoje detidos são:

1.    Elizabeth Ulombe;
2.    Emíliada Costa;
3.    Regina Máquina;
4.    Justina Eurico;
5.    Mariade Sousa (amamenta bebé de 9 meses, que não está incluído nesta lista);
6.    Isaurada Costa;
7.    Madalena Feliciano;
8.    António Kandiavity;
9.    Manuel Gomes;
10. André Muanga e;
11. Joel Eurico.
12. Dois dos detidos não foram identificados.

AN.-


Enviar um comentário