Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

sexta-feira, 14 de março de 2014

Regime prende Dirigentes da UNITA


Luanda - últimas informações de Kassongue referem que os dirigentes da UNITA que foram atacados no domingo numa emboscada organizada pelo 1º Secretário Municipal do MPLA e que foram injustamente presos pela polícia local, vão transferidos para a Comarca do Sumbe.

Fonte: UNITA

De vítimas, os militantes da UNITA passaram a agressores, enquanto impunes continuam os autores morais e materiais do crime. Luciano Nguli o mandante da acçao é que merecia estar na cadeia e não pessoas inocentes como Constantino Paulo Black e Graciano Mbulika.
Os dirigentes da UNITA no Kwanza Sul desdobraram-se em contacto com as autoridades provinciais para que o caso fosse tratado como crime. Alguns telefones tocam e ninguém do outro lado atendia, numa demonstração de que estão todos em perfeita sintonia com o que se passou na localidade de Epanda.
Uma fonte do Secretariado provincial da UNITA, no Sumbe adiantou que o Secretário provincial buscou a intermediação do Governador provincial, que no entanto disse não poder fazer nada.
Na sede municipal de Kassongue o clima é de profunda consternação pelas mortes de três cidadaos que mais não fizeram senão exercer um direito plasmado na Constituição da Republica de Angola o de filiar num Partido e participar em actividades politicas.
Os dirigentes da UNITA que foram presos estão a ser vitimas da intolerância politica do regime de JES.

Enviar um comentário