quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Luanda. Trabalhadores da Epal mantêm greve





Sindicato diz que fim da greve depende da resolução dos problemas dos trabalhadores.

Coque Mukuta
VOA

Um ano após a greve dos trabalhadores da Empresa de Abastecimento de Água de Luanda (EPAL), os funcionários mantiveram hoje o segundo dia de greve para reivindicarem o pagamento de salários e melhoria das condições de trabalho. 
Despedimentos anárquicos, melhorias de condições de trabalhos e baixos salários são algumas das questões que constam do caderno reivindicativo apresentado pelo núcleo do Sindicato Provincial da Administração e Serviços de Luanda, há mais de um mês à direcção da EPAL.
Leonídio Ceita, presidente do Conselho de Administração, que também é contestado por má gestão, ainda não se pronunciou sobre as reivindicações.
Segundo Raimundo António João, primeiro secretário do Sindicato Provincial da Administração e Serviços de Luanda daquela empresa, filados na UNTA-Confederação Sindical, afirma que todas as reivindicações passadas não foram cumpridas pelo patronato.
O sindicalista afirma que o fim desta greve depende da resolução dos problemas dos trabalhadores.
Esta não é a primeira vez que este sindicato promove uma greve na Empresa Pública de Águas de Luanda (EPAL), mas até agora, não tem tido resposta dos gestores.


Enviar um comentário