segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

MPLA tem grupo para raptar cidadãos







Lisboa  – O responsável do  Gabinete Técnico do Comité Provincial  do MPLA de Luanda,  Júnior Maurício  “Cheu” implicado na morte de Isaías Sebastião Cassule (na foto) revelou recentemente em tribunal que o seu grupo agiu contra o malogrado activista em cumprimento de ordens baixadas pelo tenente-general José Peres Afonso “Filó”.

 Fonte: Club-k.net

MPLA tem grupo para raptar cidadãos
O tenente-general  “Filó” é o  chefe da Direcção Principal de Contra-Inteligência Militar, também notabilizado  por ser  o mais fiel servidor do chefe dos SISM, general António José Maria. Recentemente ele foi citado como tendo tomado parte de uma reunião, sob orientação do general Manuel Vieira Dias “Kopelipa”, realizada na Casa de Segurança da PR, um dia antes das mortes dos activistas. A referida reunião  na qual participaram também os ex- responsáveis da Policia e SINSE de Luanda, Comissário Dias do Nascimento e António Gamboa Vieira Lopes   visou dar  orientações para detenção dos mentores da programada manifestação de que os malogrados estariam a organizar, no dia 27 de Maio de 2012, em Luanda.

Em Tribunal, o membro do MPLA, Júnior Maurício   “Cheu” disse, na sua condição de réu,  que  as orientações que o seu grupo recebeu do  tenente-general  “Filó” foram apenas para espancar Isaías Cassule e de seguida  abandona-lo noma zona em  Cacuaco mas  por infelicidade o activista   acabaria por falecer.

Isaías Cassule, foi raptado pelo Grupo Técnico do MPLA, no dia 29 de Maio de 2012,  nas mediações do fontenário da escola Angola e Cuba do Cazenga.  O activista foi levado numa viatura onde seria fortemente espancado ao longo do caminho. Porem de forma a impedirem  que o mesmo gritasse de tanta tortura, os seus algozes colocaram lhe um plástico na cabeça acabando por morrer asfixiado.  Antes de falecer,  ele teria defecado nas calças, porem ao aperceberem-se do mau cheiro, o grupo do gabinete técnico do MPLA, decidiu desfazer-se do cadáver atirando-o  numa zona do rio Dande habitada por jacarés. 

Enviar um comentário