Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Polícia angolana prende promotores de marcha contra violência policial





Luanda -  A Polícia Nacional prendeu   neste domingo nas mediações do Palanca (Shoprite), em Luanda, um grupo de activistas cívicos que participaram na marcha de repúdio  a violência policial em Angola. De entre os detidos que inicialmente estavam em local incerto,  estão , o jornalista e escritor Domingos da Cruz, o analista Nuno Álvaro Dala, o activista Mbanza Hamza, Nito Alves  e outros.

Fonte: Club-k.net

A abortada  marcha estava destinada ter como ponto de partida a Shoprite do Palanca até ao largo das heroínas.  Ela foi motivada depois de um grupo de oficiais da policia Nacional  com realce ao comandante da Maianga, Francisco Noticias e o comandante da Ilha,  João Kiala terem  torturado a universitária Laurinda Gouveia por ter fotografado jovens que estavam a ser agredidos pelas forças de repressão do governo.
Apesar de as liberdades cívicas estarem consagradas na  constituição angolana, o executivo do Presidente José Eduardo dos Santos  tem recorrido ao uso da violência e agressão policial para por cobro todas as iniciativas do género que tem lugar em Angola. Apensas permitem que sejam realizadas marchas, e maratonas que enalteçam ao MPLA e ao seu líder JES.
De realçar que em 2012, numa operação conjunta entre a  Polícia Nacional  e os Serviços Secretos de Angola foram raptos e executados dois activistas Isaias Cassule e Alves Kamulingue que pretendia realizar uma manifestação de antigos combatentes em Luanda. 

Enviar um comentário