terça-feira, 9 de abril de 2013

Moçambique. “Em nenhum momento a Renamo vai atacar civis”


– Ossufo Momande, chefe do Departamento de Defesa da Renamo

“Desde já informamos aos moçambicanos e à comunidade internacional que os desmobilizados da Renamo jamais atacariam civis. O alvo está bem identificado; é aquele que nos ataca, que rouba bens da população, ocupa as nossas sedes, prende os nossos irmãos” – Ossufo Momade 

Ossufo Momade reafirmou que a Renamo é amante da paz, mas que não teme a guerra e advertiu que de ora em diante os desmobilizados de guerra vão retaliar a qualquer ataque que sofrerem por parte da Polícia, não somente no lugar onde tal ataque tiver lugar, mas, sim, em todo o País, incluindo na cidade de Maputo.

Maputo (Canalmoz) – O partido Renamo convidou a Imprensa, no domingo, em Maputo, para se distanciar dos ataques perpetrados, sábado último, por grupos de homens armados contra dois autocarros de transportes colectivos de passageiros e um camião cisterna de combustível no posto administrativo de Muxúnguè, distrito de Chibabava, em Sofala.
O ataque resultou na morte de três civis e igual número de feridos.
Numa declaração conjunta Renamo-desmobilizados de guerra no final de um encontro, o chefe do Departamento de Defesa da Renamo, general Ossufo Momade, disse que “em nenhum momento a Renamo e os desmobilizados vão atacar alvos civis”.
Na sua comunicação à nação a Renamo acusou as Forças de Intervenção Rápida e as Forças Armadas da Defesa de Moçambique de estarem a descarregar sobre civis com o intuito de responsabilizarem a Renamo.
“Desde já informamos aos moçambicanos e à comunidade internacional que os desmobilizados da Renamo jamais atacariam civis. O alvo está bem identificado; é aquele que nos ataca, que rouba bens da população, ocupa as nossas sedes, prende os nossos irmãos”, afirmou Ossufo Momade.
O dirigente da Renamo aproveitou a ocasião para aconselhar os moçambicanos a se absterem de utilizar o troço Save-Muxúnguè até que a situação esteja normalizada.
No terreno a circulação rodoviária neste momento já está a ser feita em coluna militar, entre o Rio Save e o Inchope. 
Ossufo Momade reafirmou que a Renamo é amante da paz, mas que não teme a guerra e advertiu que de ora em diante os desmobilizados de guerra vão retaliar a qualquer ataque que sofrerem por parte da Polícia, não somente no lugar onde tal ataque tiver lugar, mas, sim, em todo o País, incluindo a cidade de Maputo.
“A Frelimo escudando-se no Governo tem um muro nas suas costas, ou o abismo, de modo que não pode esperar mais”, refere a Renamo advertindo que “ou a Frelimo assume a sentar e a acertar o que é reivindicado pela oposição ou então se arrisca a perder biliões de dólares investidos em muitos projectos no campo e nas cidades”.
“Esperemos para ver, pois o melhor tempo para parar com a guerra é antes do seu início, pois de contrário ela provocará luto e destruição”, acrescenta a Renamo.
 “Apelamos aos moçambicanos e à comunidade internacional para estarem atentos aos próximos desenvolvimentos”, ameaçou.
Entende ainda que os desmobilizados da luta pela democracia não devem continuar a assistir a Polícia a massacrar o povo, a reprimir com violência as manifestações, alegadamente pacíficas dos vários tecidos sociais.
“Nós, desmobilizados residentes na cidade e província de Maputo, tomamos o ataque a Muxúnguè como ataque a Renamo, do Rovuma ao Maputo. As ameaças de caça ao homem anunciadas pelo vice-ministro do Interior terão uma resposta pronta no teatro das operações”, disse o chefe do departamento de defesa e segurança. (Redacção)
Enviar um comentário