quinta-feira, 26 de julho de 2012

Crime violento. Moçambique entre os 30 países com mais assassinatos no mundo


– refere o relatório de avaliação de crime e violência em Moçambique, lançado ontem em Maputo

Em África, Moçambique figura como o 12º país com mais assassinatos. A nível dos países de expressão portuguesa, é o país com mais homicídios, depois do Brasil

Maputo (Canalmoz) – Moçambique é classificado como um dos países mais violentos do mundo, segundo um relatório de avaliação de crime e violência, lançado ontem em Maputo. No que diz respeito aos homicídios, Moçambique figura na lista entre os 30 países com maior ocorrência deste tipo de crime (assassinatos), a nível mundial.
Quanto a assassinatos, no quadro de países apenas do continente africano, Moçambique figurando na 12ª posição. Em África há 55 países.
Entre os países lusófonos, Moçambique é o 2º da lista com mais homicídios, depois do Brasil. A CPLP tem 8 países.
O relatório é da autoria da “Open Society Initiative for Southern Africa”. Foi lançado em Maputo, com a participação do Ministério da Justiça.
O relatório versa ainda sobre outros temas da área de crime e violência. Sobre a reclusão, o estudo aponta que, apesar de constar entre os países com uma reduzida taxa da população prisional em África, Moçambique está entre os países do continente com maior taxa de aumento da população prisional a seguir ao Malawi, Ruanda e Benim.
Lembre-se que recentemente, numa entrevista ao Canalmoz, Castigo Machaieie, director da cadeia central de Maputo, explicou que, por dia, em média, novos 50 prisioneiros dão entrada naquela que é o principal estabelecimento prisional do país ou seja, uma média de 1500 novos reclusos/mês são encarcerados nesta cadeia. Mas o verdadeiro problema que preocupa na cadeia central de Maputo é a sua superlotação. Segundo disse o próprio director, esta cadeia foi concebida para albergar 2500 pessoas, mas neste momento tem mais do que o triplo da sua capacidade. Estão oito mil reclusos encarcerados na Cadeia Central da Machava.
Já Alice Mabota, a presidente da Liga dos Direitos Humanos, recordou recentemente que as cadeias moçambicanas foram concebidas na década 60 quando a população era de 9.5 milhões de habitantes. Neste momento, o país tem 22 milhões de habitantes. (Cláudio Saúte)
Imagem: lobabranca.fotosblogue.com
Enviar um comentário