quarta-feira, 25 de julho de 2012

Pânico em Benguela e Kwanza-Sul


Por António Capalandanda:
Quando falta pouco mais de um mês para os angolanos irem às urnas nas eleições presidenciais e parlamentares de 31 de Agosto de 2012, instalou-se um clima de medo e mesmo pânico nas províncias do interior, nomeadamente Benguela e Kwanza Sul, onde correm rumores do retorno à guerra civil.
Populares estão a abandonar as suas aldeias, fixando-se em lugares mais próximos e, em alguns casos, na província do Huambo.
Desde o princípio do mês de Julho, as Forças Armadas Angolanas (FAA) destacaram uma companhia com cerca de 90 militares no município da Ganda,  província de Benguela,  composta por cerca de 90 militares.
Segundo depoimentos de alguns aldeães,  a 17 de Julho, alguns efectivos da referida companhia, em conjunto com agentes da Polícia Nacional,  efectuaram patrulhas na povoação de Bongola, comuna de Ebanga, criando um clima de intimidação na localidade. A patrulha mista, segundo testemunhas oculares, forçou o jovem João Guerra a despir a camisola da UNITA, em público.
Dois dias depois, a 19 de Julho,  outra patrulha mista cercou a residência de um político da UNITA, Francisco Pereira, na aldeia de Kassamba, comuna de Ebanga, conforme depoimentos prestados por testemunhas. visado encontrava-se ausente. Os militares e agentes policiais permaneceram no local das 13h00 às 17h00 horas.
De seguida, ainda de acordo com as mesmas testemunhas, os patrulheiros invadiram as residências de duas simpatizantes da UNITA, Filomena Domingas e Salomé Sambo. Retiraram-nas dos seus lares, sob ameaças de armas de fogo e as transportaram numa viatura militar. As aldeães informaram ter sido abandonadas, a alguns kilómetros da aldeia. A situação criou pânico na aldeia, tendo originado a fuga de populares da aldeia de Kassamba  para a Ganda.
Segundo o secretário municipal da UNITA na Ganda, Fernando Quintas Sachipala, a sua organização recebeu na sede municipal, na passada sexta-feira, sete dos seus militantes oriundos da aldeia de Kassamba.
Contactado pelo Maka Angola, o administrador municipal da Ganda, Caetano Mateus Lopes, disse desconhecer a informação da concentração de militares na comuna de Ebanga.

Efectivos Militares no Kwanza Sul
Já no município de Cassongue, província do Kwanza Sul, foi destacado um pelotão de cerca trinta homens que, desde o início deste mês, efectua rondas nas aldeias.
Populares disseram ao Maka Angola que, no dia 18 Julho, na comuna da Songa, município do Wako Kungo, as FAA proibiram a população de ir às suas lavras, sem, no entanto, terem apresentado qualquer justificação.
Na localidade, as pessoas começaram a associar a realização  das eleições, a 31 de Agosto,  com o retorno à violência política e começaram a armazenar alimentos e sal, como medida preventiva.
A população de Songa é maioritariamente deslocada de guerra, proveniente do município do Mungo, província do Huambo, uma região limítrofe.
Em declarações a este portal, Oliveira Miguel Kapata, secretário provincial da UNITA no Kwanza Sul, disse que o seu partido recebeu informações de que alguns populares começaram a regressar às suas zonas de origem (Mungo), devido ao clima de instabilidade que se regista na Songa.
As autoridades locais e o MPLA, no Kwanza Sul, não responderam às chamadas para comentar sobre o assunto. No entanto,  uma fonte militar assegurou que as brigadas destacadas em alguns municípios de Benguela e Kwanza Sul pertencem à região militar, em Luanda. O oficial disse tratar-se de um destacamento normal, que nada tem a ver com o processo eleitoral.


Enviar um comentário