domingo, 22 de julho de 2012

Jerónimo de Sousa: mais austeridade conduz a “novo desastre”


PCP diz que Governo se prepara para impor novas medidas de austeridade e que estas são reflexo de uma política “pescadinha de rabo na boca”
24/06/2012 | 20:37 | Dinheiro Vivo
O secretário-geral do PCP disse hoje em Alpiarça que o Governo se prepara para impor novas medidas de austeridade, o que representará “um novo desastre” de uma política que é como “a pescadinha de rabo na boca”.
Jerónimo de Sousa falava no final da IX Assembleia da Organização Regional de Santarém do PCP, numa intervenção centrada nas razões que levaram o partido a apresentar a moção de censura ao Governo, que será votada na segunda-feira no Parlamento.
“Ao contrário do que o Governo afirma, o segundo semestre deste ano vai ser pior que o primeiro”, disse o líder comunista, referindo os números da execução orçamental nos primeiros cinco meses do ano, que revelaram uma quebra das receitas “para níveis que põem em causa o cumprimento anunciado do défice para o presente ano”.
Lamentando que o Governo persista “nas mesmas receitas”, Jerónimo de Sousa afirmou que as declarações do ministro das Finanças, Vítor Gaspar, assegurando que o défice vai ser cumprido, significam que o Governo se prepara para impor novas medidas de austeridade.
“Se assim for será um novo desastre”, disse, sublinhando que esta solução é como “a pescadinha de rabo na boca: com as políticas de austeridade aumenta-se a recessão, que faz aumentar o défice. Aumenta o défice, novas medidas de austeridade e aumenta o desastre”, num “ciclo ininterrupto” que a moção de censura apresentada pelo PCP quer interromper.
Jerónimo de Sousa criticou ainda o Primeiro-Ministro, Pedro Passos Coelho, por ter ido à América Latina como “um vendedor do interesse nacional, a entregar a preços de uva mijona aquilo que são as riquezas nacionais”, apontando como exemplos a TAP e a ANA.
“É uma vergonha ver Passos Coelho andar pela América Latina a tentar vender empresas que são altamente rentáveis, que são alavancas fundamentais para o nosso crescimento e o nosso desenvolvimento”, afirmou.
O secretário-geral do PCP não poupou igualmente críticas ao Presidente da República pela promulgação das alterações ao Código do Trabalho.
“Fê-lo sabendo que tais alterações são de uma violência desmedida contra os trabalhadores e que viola frontalmente a Constituição da República, que jurou por sua honra defender. Fê-lo sabendo que a sua decisão conduz a mais desemprego, a mais exploração, a mais repressão patronal, a mais pobreza”, afirmou.
“Entre a Constituição e as exigências da troika o Presidente da República decidiu rasgar o juramento constitucional e integrar os apoiantes do pacto de agressão”, acrescentou.
Para Jerónimo de Sousa, “não há aspeto da vida nacional que não seja motivo de censura”.
Imagem: lasatura.blogspot.com
Enviar um comentário