segunda-feira, 30 de julho de 2012

Job Capapinha suspenso do Movimento Espontâneo



Luanda – A assembleia-geral do Movimento Nacional Espontâneo (MNE) realizada dia 27 de Julho, em Luanda, suspendeu das funções de presidente de direcção do órgão, o membro Job Castelo Capapinha, por tentativas de subalternização. De acordo com uma nota da instituição, enquanto durar a suspensão e de modo a evitar qualquer vazio de poder, a associação será dirigida, em regime de acumulação, pelo presidente da mesa da Assembleia Geral, Justino José Fernandes, até a realização da próxima assembleia, marcada para o mês de Outubro do corrente ano.

Fonte: Angop
“Face ao comportamento manifestamente anti-estatutário, de desrespeito aos órgãos do MNE, tentativa de subalternização do órgão máximo da Associação (Assembleia Geral) e falta de solidariedade institucional demonstrado nos últimos dias, a Assembleia, no uso das competências que lhe estão conferidas nas alíneas a) e i) do artigo 29º dos Estatutos, suspendeu o senhor Job Pedro Castelo Capapinha das funções de presidente de direcção do Movimento Nacional Espontâneo”, diz a nota.

A assembleia-geral do MNE deliberou também sobre a continuidade do 2º vice presidente, António Manuel Fiel “Didi”. Os participantes da 2ª Assembleia-geral Extraordinária, que discutiu outros diplomas, aprovou, igualmente, uma moção de apoio ao patrono do MNE, José Eduardo dos Santos, Presidente da República, pela forma exemplar como tem conduzido os destinos do país.

Enquanto a isso, na província do Huambo, os membros da direcção central do MNE, manifestam o seu voto de confiança à liderança da organização, a Job Pedro Castelo Capapinha, por consideraram haver conformidade com os objectivos do colectivo e dos seus associados.

O facto vem expresso num comunicado produzido durante os trabalhos do nono encontro multidisciplinar do MNE, onde participaram os associados das direcções provincais do Bíe, Benguela, Kwanza Sul, Huíla, Huambo, Moxico, Luanda, Kuando Kubango, Malange, Namibe, Lunda Norte e Cunene.

Igualmente subscreveram o documento baseado no âmbito de defesa do direito de personalidade, as direcções municipais e distritais de Luanda, Cazenga, Belas, Viana, Icolo e Bengo (municípios), Sambizanga, Maianga, Ingombota, Samba, Kilamba Kiaxi e Rangel (distritos), lê-se nota.

O voto de confiança, é resultado de os membros do MNE tomarem conhecimento da notícia publicada na edição deste sábado do Jornal de Angola, sobre a suposta Assembleia Geral Extraordinária. Para os filiados, tal actividade atenta ao bom nome, dignidade e a imagem de Job Pedro Castelo Capapinha, enquanto presidente do Movimento Espontâneo, de pleno direito, eleito na terceira assembleia geral ordinária realizada no Futungo II, no dia 30 de Setembro de 2011.
Enviar um comentário