quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

“Acham mesmo que eu e a Sistec controlamos seja o que fôr ???????????”


Passam os anos e a táctica do saque não muda. SISTEC continua a manter monopólio de acções do Estado
Revelações obtidas pelo F8 em Luanda dão conta de que a Sistec, uma empresa angolana essencialmente ligada aos ramos da informática e das telecomunicações, estará envolvida naquilo que poderá ser uma das maiores fraudes financeiras de fórum empresarial conhecidas em Angola nos últimos 22 anos.

http://folha8.blogspot.com/2010/11/passam-os-anos-e-tactica-do-saque-nao.html
26 de Setembro de 1997

Os factos a isso subjacentes, revelados por uma fonte identificada que pediu o anonimato, apontam para uma sistemática fuga ao fisco, obtenção fraudulenta de contratos de fornecimentos e sobrefacturação. A confirmarem-se tais factos, também, podem ser vistos como uma conspiração contra o povo angolano, se tiver em conta que a tributação fiscal é o meio mais eficaz de solidariedade social, instituído pelo regime deste País, onde 61 por cento da população vive em estado de virtual indigência. A fonte do F8 afirma que as fraudes são a real fonte de receitas da SISTEC que, por exemplo, sobrefactura frequentemente, na ordem dos 100 por cento, os fornecimentos de material e equipamentos às Forças Armadas Angolanas, FAA.

Em 1994, quando a SISTEC facturou três milhões de dólares em negócios com as FAA, um fornecimento de rádios PRC comprados à TransWorld Communications (TWC), pelo valor de dois milhões de dólares, foi cobrado pelo dobro do seu valor, indicou a fonte. Disse que é esta variante da negociata que permite “o aparecimento de grandes ricos dentro da empresa” e que é por este meio que indivíduos ligados a instituições do Estado tornam-se accionistas da empresa. Atribuindo contratos fraudulentos à SISTEC e permitindo que os valores dos fornecimentos sejam sobrefacturados, indivíduos ligados ao Estado passam a ter participação nos lucros da empresa. Estes, os lucros, são chorudos, segundo a fonte que revelou que no fim de 1994 um grupo de seis titulares de sete acções obteve rendimentos individuais der 500 mil dólares americanos.

O informador do F8 afirma que, em 1993, quando a empresa atravessava uma crise financeira e não tinha dinheiro para pagar os direitos alfandegários, Rui Santos reduziu pela metade o valor de algumas facturas de importação. Dessa forma declararia às Alfândegas um valor inferior ao que deveria pagar em taxas e impostos.

A fonte aponta exactamente um fornecimento proveniente da Técnica (Far East) Ltd, uma firma de Hong-Kong que é propriedade de um português conhecido por Fazenda.

O fornecedor enviou dois tipos de facturas, sendo uma “invoice” (in) com o verdadeiro preço do fornecimento, e outra “Customes” (C.U.) com um preço 40 por cento inferior e alegadamente fictício.

Ao declarar à Alfandega, a Sistec apresenta a factura (C.U.), da qual supostamente deduz ainda 50 por cento, e, ao fixar o preço fá-lo com base no valor da factura “in” multiplicado por 1,7, que é o valor dos impostos, taxas e do frete.

Dessa maneira, estimou a fonte, são ludibriadas as Alfandegas, Seguradora, Transportadoras e os Consumidores.


4 comentários:
Os regimes ditatoriais são como as florestas, nelas habitam todos os animais desde os mais inocentes, passando pelos animais ferozes e os de grande porte, por fim na cadeia alimentar ainda podemos encontrar os necrófobos como os abutres que se alimentam de tudo e não deixam nada.
A mim, não me espanta, porque quando sai das FAPLA, o actual responsavel da informática das FAA é brigadeiro, imagine entrou depois de 1992,qual foi o meu espanto Brigadeiro Rogerio, cidadão português, o Rufino(ex chefe do Centro de Processamento de dado MinDef que lá já andava a mais anos oficial dedicado ainda está a lutar para ser promovido a Coronel neste momento, o Jonas Chimuca que também fazia parte de deste centro, foi requisitado pelo então governador Ludy Kissassunda, após o fim da comissão de serviço, não foi aceite o seu retorno a FAA, e mantem se com a patente de major, quem manda actualmente é o Brigadeiro Rogerio, ingressou nos anos 90, e é cidadão portugues, investiguem estes factos, imaginem o ciclo vicioso instalado...
Como é por demais sabido, já há multi-bilionários nas FAA. E que as FAA em paridade com o governo estão apetrechadas de generais e ministros, licenciados com deficiência a cópia. Logo, são tão sumamente pobres que não têm senão dinheiro, roubado é claro.
Eu hoje fiz uma busca na internet e por curiosidade vi esta noticia.
Quem quer que seja que a colocou agradeço retirá-la porque simplesmente NÃO OBEDECE à VERDADE !! Esta notícia é simplesmente ridicula.
Ela foi a re-edição de uma outra noticia que saiu uns anos antes e foi feita a titulo de nada. Na edição anterior tiveram a hombridade de me entrevistar e nessa altura a notica saiu em Página Principal com o meu desmentido e respostas em página interior minuscula! Isto é contra a lei de direito a resposta onde igual destaque deve ser dado à resposta.
ORA ANOS MAIS TARDE fazem a mesma noticia a titulo de nada ... NÃO SEI SEQUER onde querem chegar ... Acham mesmo que eu e a Sistec controlamos seja o que fôr ??????????? Só podem estar a brincar !!!
Agradeço retirar esta noticia !

Enviar um comentário