quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

O não cumprimento deste ultimato traduzir-se-á numa multiplicação de incessantes reivindicações públicas


Não queremos continuar calados e na espera eterna enquanto os nossos amigos continuam desaparecidos! Estamos especialmente preocupados com o silêncio dos representantes do governo que em peito alto assumiram investigar e esclarecer caso no passado dia 20 de dezembro de 2012 numa reunião que mantivemos com o Ministro do Interior, o Diretor Nacional da DNIC, o Vice-Procurador Geral, o Vice-Ministro da Justiça e outras entidades do poder executivo e administrativo do país, estando presentes também familiares próximos dos nossos companheiros desaparecidos desde Maio de 2012.

http://centralangola7311.net/

Não vamos nos calar e queremos saber o paradeiro dos nossos amigos quer estejam VIVOS ou MORTOS! Foi esta preocupação que nos moveu a elaborar a carta que agora tornamos pública para a sociedade angolana e não só.
Vamos continuar a olhar para isso como se nada tivesse acontecido? Hoje é Alves Camulingue e Isaias Cassule, amanha poderá ser qualquer um de nós. Precisamos dizer um basta nisso, somos seres humanos, a nossa vida tem valor! Exigimos, respeito pelas nossas vidas e dignidade humana. Não é crime reclamarmos os nossos direitos, os responsáveis por esses atos devem ser apresentados e julgados segundo a nossa lei.
Não é um crime nascer em Angola, não é crime combater uma ditadura! Não é um crime dizer que Eduardo dos Santos está no poder há mais de 32 anos! Não é crime dizer que Angola está a ser desgovernada! Não é crime manifestar-se contra as inúmeras injustiças que se comentem contra os angolanos! Não é crime ter opinião! Então por que raptaram os nossos amigos?
Por considerarmos como insultuosa e execrável a utilização de um assunto tão delicado para os habituais aproveitamentos políticos com fanfarronices televisionadas, por recusarmos ser meros atores nesta peça teatral e pelas famílias humilhadas, exigimos a quem de direito que, no prazo de 15 dias, nos dê um esclarecimento definitivo acerca do paradeiro dos nossos irmãos. O não cumprimento deste ultimato traduzir-se-á numa multiplicação de incessantes reivindicações públicas, estando a primeira agendada para exatamente 15 dias após receção da carta em anexo, entregue ao MININT no dia 2 do corrente.
Que se dignifique o homem angolano, que se respeite a soberania do povo angolano, e que se faça, acima de tudo, justiça.

Enviar um comentário