sexta-feira, 11 de maio de 2012

JPMorgan, incerteza na Grécia, banca e resultados: ingredientes para queda da Europa


Diogo Cavaleiro  - diogocavaleiro@negocios.pt
As bolsas europeias estão a cair em torno de 1%, penalizadas por resultados abaixo do esperado. As incertezas políticas, na Grécia, e da banca, em Espanha, também pesam no desempenho das praças.
São vários os motivos que estão hoje a justificar uma quebra das bolsas europeias. O JPMorgan anunciou perdas inesperadas, volta-se a viver mais um dia de incerteza política na Grécia, os resultados do Crédit Agricole ficaram aquém do esperado e a banca em Espanha continua a causar preocupações.

Depois do avanço de ontem, o índice europeu, o Stoxx Europe 600, recua 0,75% para 249,21 pontos. Este é o terceiro dia de deslizes na semana. As quebras dos índices nacionais são superiores a 1% em Portugal, Espanha, França e
Itália.

Na Grécia, a bolsa cai 0,66% para 242,65 pontos, depois de ontem ter disparado mais de 6%. A incerteza política continua mas a esperança é a de que o socialista Pasok consiga formar uma coligação de unidade nacional, depois de a Esquerda Democrátia se ter mostrado disponível para se juntar ao partido.

Evangelos Venizelos, líder do Pasok, vai hoje reunir-se com o dirigente do Nova Democracia, para tentar formar um governo. Contudo, o cenário de novas eleições continua em cima da mesa e uma sondagem ontem divulgada aponta para uma vitória do Syriza, a Coligação de Esquerda Radical, que rejeita os acordos com a Europa. Um cenário que continua a trazer pessimismo para os investidores.

Banca perde mais de 2%

A banca é um dos sectores que também está a contribuir para os deslizes na Europa, com o
BBVA a perder 2,11%, o Santander a cair 2,58% e o Crédit Agricole a desvalorizar 2,06% para 3,424 euros, depois de este último ter apresentado resultados que ficaram abaixo do esperado pelos analistas ao fixarem-se nos 252 milhões de euros no primeiro trimestre.

O norte-americano JPMorgan Chase anunciou, ontem, uma perda de 2 mil milhões de dólares (1,5 mil milhões de euros) relativas a assuntos jurídicos e de mercado, o que também está a penalizar as acções.

As medidas a anunciar hoje em Espanha para ajudar a solucionar os problemas do sector financeiro do país estão, da mesma forma, a pressionar as negociações, depois da nacionalização do Bankia.

Também os resultados da Telefónica desiludiram os analistas, segundo a Bloomberg, o que faz com que a operadora espanhola esteja a recuar 2,83% para 11 euros.

A penalizar o Stoxx Europe 600 está também a
EDP. Em dia em que se desconta o dividendo, que vai distribuir aos accionistas, a eléctrica nacional está a cair 8,81% para 2,07 euros. Apesar de ser um ajuste técnico, o movimento tem peso no índice europeu.

(Notícia corrigida às 10h07: por lapso, estava indicado que a perda do JPMorgan foi de 2 mil milhões de euros, quando a perda foi de 2 mil milhões de dólares [1,5 mil milhões de euros]).
Enviar um comentário