quarta-feira, 9 de maio de 2012

Militares da SADC propõem obrigatoriedade de teste de HIV/Sida nas corporações


Maputo (Canalmoz) – Militares da SADC, que participam da conferência internacional sobre HIV/SIDA nas Forças Armadas, propuseram a introdução da obrigatoriedade do teste de HIV/Sida a nível das suas corporações. Defenderam que a proposta surge pelo facto de a maior parte das mortes que ocorrem nas Forças Armadas a nível da SADC estar directamente ligada ao HIV/Sida. Na conferência que deverá terminar amanhã, quinta-feira, participam para além de militares, médicos e representantes de governos da SADC, com maior destaque para representantes da Organização Mundial da Saúde.
A maioria dos defensores desta proposta alega que a obrigatoriedade de realização do teste HIV/SIDA permitirá aos países terem uma base de dados sobre o índice de militares infectados. E posteriormente poder-se-ão desenhar estratégias possíveis para combater esta doença e garantir que a casa castrense esteja fisicamente preparada para responder a quaisquer eventuais situações de emergência de guerra. Outros participantes consideraram a proposta exagerada alegadamente porque deixaria as pessoas inconformáveis e poderia suscitar um ambiente de discriminação para com os militares descobertos que estejam infectados.
Falando na ocasião, o vice-ministro da Defesa, Agostinho Mondlane, reconheceu o elevado índice de morte causada por esta doença no país, concretamente entre os militares. Mas, Mondlane prometeu levar a proposta a debate entre o governo e os próprios militares.
Para Mondlane é altura de os próprios militares reconhecerem que mais do que uma responsabilidade individual, fazer teste também envolve uma responsabilidade colectiva dado que a sua condição de doentes pode também afectar a sua vida Professional e subsequentemente o país.
“Temos assistido a casos de militares que já não conseguem fazer certos exercícios militares porque estão fisicamente abatidos devido ao HIV/SIDA, situação que constitui uma ameaça à integridade territorial em caso de guerra. Mas recusam-se a assumir-se para que o ministério possa ajudá-los, situação que dificulta o controlo da situação”, concluiu Mondlane.
Sipho Mandawa, representante do Ministério da Defesa da África de Sul, defende que uma das estratégias para se combater o HIV/SIDA nos militares seria necessariamente que os países africanos criassem condições de modo a garantir uma cesta básica forte para os militares infectados pelo HIV/SIDA de modo a garantir a sua condição física forte.
Mandawa revelou a experiência do seu país e disse que os militares têm sido as primeiras pessoas a aderirem aos testes, de forma deliberada. No entanto, para esta fonte a proposta para que se torne obrigatório o teste de HIV/SIDA, mais do que permitir passar a ter uma base de dados, criaria um ambiente de tensão. Salientou, entretanto, que sujeitar-se ao teste é acima de tudo uma questão de responsabilidade individual. (António Frades)
Imagem: ... o teste, deixando claro assim que só você deverá ficar sabendo do ...
adolescencia.org.br

Enviar um comentário