terça-feira, 12 de março de 2013

Almirante “Miau” (da CASA-CE) envenenado


Lisboa –  A  rotura do Almirante André Gaspar   Mendes de Carvalho “Miau”, com o regime angolano,  deteriorizaram-se,  no  seguimento de ventilações que atribuíam uma  tentativa de envenenamento contra  aquele oficial  ao tempo que exercia o cargo de director nacional para as relações internacionais do Ministério da Defesa.  A constatação é de um “assessement” que circula em meios restritos militares do regime.
Fonte: Club-k.net
Regime suspeito de por toxico no seu gabinete
De acordo com o “assessment”,  após a  saída de “Miau” das estruturas da Defesa,  uma das áreas do seu  gabinete ficou  interditada ao acesso na seqüência de suspeitas de  que teria sido a área onde terão colocado uma  suposta substancia radiativa   destinada a fragmentar,   a saúde daquele ex- oficial superior formado em Cuba.  Alude-se que após  a sua exoneração, o almirante  terá  se deslocado ao exterior do país,  onde teria se submetido a  acompanhamento médico ao qual os seus antigos companheiros descrevem como “desintoxicação”.

De referir que esta não é a primeira vez que  vêem a público   informações dando conta de praticas de envenenamento contra figuras  que terão se incompatibizado  com o regime do MPLA. Em 2006, circulou que o general José Maria, da Inteligência Militar teria delegado ao seu subordinado, Tenente-General  Filomeno Afonso “Filó” a colocar um toxico na cela da procuradoria Militar, onde se encontrava preso o ex- DG do Serviço de Inteligência Externa (SIE), general Fernando Garcia Miala.  Na sua última edição, o  Jornal Angolense, noticiou que a antiga chefe da contra inteligência do SIE, Maria da Conceição  estaria até aos dias de hoje apoquentada com o suposto envenenamento.

O caso  do  Almirante André  Mendes de Carvalho  “Miau”  que agora se ventila nunca foi denunciado  ou esclarecido pelo mesmo nem por figuras a seu redor. Quando entrou em rotura com o sistema, este filho do veterano Mendes de Carvalho “Uanhenga Xitu”  deu uma conferência de imprensa  esclarecendo  as motivações que o levaram a  demarcar-se do regime do Presidente Eduardo dos Santos. Alegou que já não  confiança no mesmo.  “Miau” deu o exemplo do general “Kopelipa” que teria convocado uma reunião com os oficias militares para transmitir que a queda de Fernando Miala deveu-se a idealização de um suposto golpe de Estado, que, no  seu entender,  nunca foi provado até hoje.

“Miau” deixou o  cargo  de director no  Ministério da Defesa  em Janeiro de 2012, por intermédio de uma exoneração sem aviso prévio.  Foi  substituído pelo general José Luís C. Higino de Sousa, ex-  Chefe-Adjunto do Serviço de Inteligência Militar.

Desde então tem se dedicado  a  política  activa sendo hoje o Presidente do grupo parlamentar  da CASA-CE, a coligação que ajudou a idealizar junto com o político  Abel Epalanga Chivukuvuku, seu líder.

Enviar um comentário