sexta-feira, 22 de março de 2013

Dos Santos e Bófias Descontentes


O colectivo de operacionais dos Serviços de Inteligência e Segurança de Estado (SINSE) endereçou, recentemente, uma carta ao Presidente José Eduardo dos Santos, a dar conta do elevado grau de desmotivação em que se encontram, por falta de liderança e condições de trabalho.
Para o presente ano, o SINSE tem uma dotação orçamental de Kz 66.6 biliões (US$ 695 milhões). Nos anos anteriores, as verbas também foram bastante generosas. Mas o destino dado a grande parte dessas verbas continua a ser um grande mistério para os operativos.
Na correspondência confidencial dirigida ao Presidente, os operativos do SINSE solicitam a José Eduardo dos Santos que se desloque aos serviços para uma reunião em que estes explanarão as suas reivindicações e os entraves institucionais à realização do seu trabalho.
De forma antecipada, os oficiais do SINSE revelam que o actual chefe da instituição, Sebastião Martins, poucas vezes se apresenta ao serviço e, quando o faz, manifesta-se desmotivado e pouco orienta. Em Outubro passado, o Presidente José Eduardo dos Santos demitiu Sebastião Martins do cargo de ministro do Interior, que acumulava com a chefia do SINSE. Segundo consta, enquanto ministro, Sebastião Martins recusava-se a prestar vassalagem ao ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, o general Manuel Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa”. De forma ousada, Sebastião Martins procurava também impor limites às interferências directas e arbitrárias de Kopelipa nas operações dos seus pelouros.
As relações entre Sebastião Martins e o chefe dos Serviços de Inteligência e Segurança Militar (SISM), general António José Maria “Zé Maria”, principal aliado de Kopelipa, também são péssimas. O general Zé Maria conspirou contra o seu colega do SINSE e usurpou-lhe a competência de espiar, infiltrar e cooptar dirigentes da oposição e sabotar iniciativas dos partidos políticos. Esta é, actualmente, uma acção militar sob comando do general Zé Maria.
“Conforme dizemos, quem não está com o Kopelipa, não trabalha. É exonerado. É o que aconteceu do chefe do SINSE”, confidenciou uma fonte. Isso explica a forma despachada com que o Presidente aceitou a proposta do general Kopelipa para demitir Sebastião Martins do cargo de ministro do Interior.
Agora, mais uma vez, o destino do chefe do SINSE está à mercê do ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do PR. José Eduardo dos Santos, ao invés de decidir directamente sobre a carta dos operativos dos serviços secretos, remeteu-a à consideração do general Kopelipa.
De modo geral, as intrigas palacianas têm gravitado à volta da gestão e saque do erário público e a disputa entre Sebastião Martins, por um lado, e a dupla Kopelipa e Zé Maria, por outro, não foge à regra. A par da Sonangol, o sector de defesa e segurança, que consome mais de 18 porcento do Orçamento Geral do Estado, é o principal sorvedouro da corrupção institucional. O facto do Presidente não permitir a fiscalização mínima das contas de defesa e segurança, facilita o saque directo, na ordem dos biliões de dólares. Este tem sido o mecanismo privilegiado de enriquecimento ilícito de uma selecta casta de generais.
Com frequência inusitada, sectores dos ramos de defesa e segurança têm estado a enviar missivas ao Comandante-em-Chefe José Eduardo dos Santos, a alertá-lo para situações graves entre as suas fileiras.
Com a mesma frequência, o Presidente da República tem dedicado o seu silêncio estratégico às reivindicações dos militares e agentes dos serviços de inteligência. Na prática, desde 1992, há mais de 20 anos, o Comandante-em-Chefe não visita uma unidade militar. Fê-lo excepcionalmente em duas ocasiões, com breves visitas ao Quartel-General do Exército em Luanda, para render homenagem. A primeira foi a do general Simeone Mucune, tombado no Andulo, em 1999, e a segunda foi a do general João Baptista Cordeiro “Ngueto”, que faleceu num acidente de helicóptero, em 2002. Há 20 anos que o Presidente também não reúne com os chefes dos ramos das Forças Armadas Angolanas e das regiões militares.
No ano passado, membros do Destacamento Central de Protecção e Segurança da Casa de Segurança do Presidente da República, afectos à Unidade de Guarda Presidencial, também remeteram uma carta ao Presidente, a reivindicar melhores condições de trabalho e dignidade no exercício das suas funções. Lembraram o Presidente que quem o defende são os soldados e não os generais. Essa observação encontra eco no facto do Presidente ter, há muito, limitado a sua disponibilidade para ouvir conselhos sobre questões de defesa e segurança. Os generais Kopelipa e Zé Maria parecem ser os únicos a influenciá-lo.
Há uma pergunta fundamental que deve nortear a preocupação dos angolanos. Qual é a situação real de segurança e estabilidade do país face ao crescente nível de descontentamento no seio das Forças Armadas Angolanas e dos serviços de segurança e inteligência?

Enviar um comentário