sábado, 9 de março de 2013

Cuba . Editorial do Washington Post exige inquérito internacional à morte de activista de direitos humanos


Maputo (Canalmoz) - activista cubano de direitos humanos, continua a suscitar a solidadriedade da comunidade internacional. O jornal «Washington Post», num editorial publicado esta semana, apelou à convocação de uma investigação internacional que possa ser verdadeiramente independente e sem estar manchada pelos métodos repressivos do regime de Havana.
 As autoridades cubanas alegam que a viatura em que Oswaldo Payá seguia, acompanhado de Ángel Carromero, vice-secretário geral do Partido Popular espanhol, actualmente no poder, e de Harold Cepero, activista cubano, havia chocado contra uma árvore devido a excesso de velocidade. A família deOswaldo Payá negou a versão do regime.
De regresso a Espanha, Ángel Carromero declarou à comunicação social que o acidente, ocorrido na Província de Granma a 22 de Julho do ano passado, fora provocado por um choque deliberado contra as traseiras do carro por uma viatura do governo cubano. Ángel Carromero, que era quem conduzia o carro, disse ter visto através do espelho retrivosor a matrícula do carro e que apurou ser pertencente ao regime dos Castro-Ruz.  Carromero acrescentou que foi obrigado a declarar, sob o efeito de drogas que lhe haviam sido injectadas no corpo, que o carro não havia sofrido nenhum embate nas traseiras.
De 60 anos de idade Oswaldo Payá havia conquistado o Prémio Sakharov atribuído pela União Europeia em reconhecimento da sua posição firme em defesa dos direitos humanos em Cuba. Payá foi nomeado para Prémio Nóbel da Paz por Vaclav Havel, antigo presidente checo.

Ao longo da sua vida Oswaldo Payá evidenciou-se por uma postura independente, tendo recusado filiar-se na Liga da Juventude Comunista. Como jovem estudante de 16 anos, Oswaldo Payá recusou-se a apoiar a invasão soviética contra a República da Checoslováquia em 1968, contrariando assim a linha defendida pelo regime de Havana de colagem política para com a URSS.  (Redacção)
Imagem: Oswaldo Payá, activista cubanos de direitos humanos, assassinado pelo regime no poder em Havana  


Enviar um comentário