Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

domingo, 20 de outubro de 2013

Luanda. PR vaiado no parlamento


Luanda - O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, foi alvo de um episódio de vaia protagonizado pelos deputados da oposição (UNITA, CASA-CE, PRS e FNLA), quando o mesmo apresentava o seu discurso sobre o Estado da Nação, nesta terça-feira última.

Fonte: Club-k.net

No momento em que o estadista discursava, os parlamentares da oposição exibiram cartazes com dizeres poucos simpáticos a JES com realce a ausência de pluralismo no parlamento, razão pela qual o camaram da TPA evitou filmar  a bancada dos deputados da oposição.
Os cartazes eram na sua maioria sobre referência a detenção do menor Nito Alves, e sobre Isaías Cassule e Alves Kamulingue, dois jovens desaparecidos, desde Maio de 2012, nas mãos da guarda presidencial. Em outros cartazes,  lia-se também expressões como   abaixo a ditadura e ainda outro, abaixo a corrupção.
Na segunda-feira (14), dia anterior a apresentação do discurso do Estado da Nação, os líderes dos grupos parlamentares da oposição, escreveram ao presidente da Assembleia Nacional, Fernando Dias dos Santos “Nandó”, advertindo-o que seriam “obrigados a tomar outras medidas em nome da pluralidade” caso as autoridades não corrigissem algumas posturas citadas na missiva.
Uma das exigência da oposição era a presença de certas figuras naquele acto tal como a presença de jornalistas distanciados ao regime. (Foi permitido apenas um fotógrafo da Presidência, e jornalistas próximos ao governo).
Logo após ao discurso presidencial, o líder parlamentar, Fernando Dias dos Santos “Nandó”, foi interpelado pelo circulo presidencial a fim de se explicar como os referidos cartazes entraram naquela sala magna.
Eduardo dos Santos, é descrito como tendo apresentado sinais de intranquilidade quanto aos cartazes que o embaraçavam, sobretudo na presença de embaixadores estrangeiros.
Factos a considerar :
- JES revelou nervosismo, pelo que notava-se no gesto da sua mão direita apoiada na mesa. Logo a seguir, bebia a água que lhe foi posta na mesa, algo que nunca fez no parlamento. (O PR é conhecido por nunca consumir quaisquer líquidos ou alimentos fora da casa).
No sentido de mostrar solidariedade ao Presidente, uma denominada “Associação dos amigos do Bem e da paz”, próxima ao regime foi orientada a realizar uma marcha, com partida na marginal de Luanda, a fim de manifestar apoio ao discurso do Estado da Nação proferido por José Eduardo dos Santos. A referida associação é dirigida  por Hélder Balssa, filho da Ministra do Ambiente, Fátima Jardim.


Enviar um comentário