quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Moçambique. Espectro de guerra civil


Governo movimenta mais tropas para província de Sofala (#canalmoz)

Maputo (Canalmoz) – Pelo menos doze camiões, transportando soldados das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), deixaram esta terça-feira a cidade de Maputo com destino à região central do País, presenciou o Canalmoz a partir da zona militar, mais concretamente na Base Ntchinga.
Algumas fontes ligadas àquela tropa deram a conhecer que o seu destino é a província de Sofala, onde desde a semana passada o exército governamental se confronta com homens da Renamo.
Os confrontos assumiram a escalada de violência na passada quinta-feira, dia 17 de Outubro corrente, dias depois do presidente Armando Guebuza ter regressado de Uganda. As forças do Governo atacaram um posto avançado de homens da Renamo, fazendo dois mortos numa altura em que aqueles celebravam a passagem dos 34 anos da morte do seu primeiro comandante, André Matsangaisse.
Para justificar o ataque, o Governo alegou que estava a responder a uma emboscada que tinha sido montado pelos homens da Renamo contra as Forças de Defesa e Segurança, o que a contraparte desmente dizendo que estava em festa pelo que não podia ser ela própria a estragar o seu evento.
Entre sexta-feira e sábado, quadros da Renamo que se haviam deslocado a Sadjundjira foram retidos pelas forças governamentais quando tentavam regressar às suas proveniências.
Na última segunda-feira, também alegando que estavam a perseguir homens da Renamo que tinham atacado um posto do exército, as forças do Governo tomaram de assalto a base central da Renamo em Sadjundjira, onde residia Afonso Dhlakama a um ano.
O líder da Renamo, Afonso Dhlakama, o secretário-geral Manuel Bissopo, e outros quadros, generais, bem como os seus homens, haviam se retirado para um local desconhecido, que se supõe seja nas montanhas.
Ao amanhecer desta terça-feira, supostos homens da Renamo atacaram o Comando Distrital da Polícia em Marínguè, ainda na província de Sofala.
Toda a terça-feira até às 17 horas, o Canalmoz procurou, sem sucesso, o director da Ordem do Comando Provincial da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Sofala, dado que este nunca chegou a atender as chamadas telefónicas. (Bernardo Álvaro)
Enviar um comentário