quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Moçambique. Em Marínguè. Homens armados da Renamo atacam Comando da PRM


 (#canalmoz)

Governo confirma ataque e diz que as FADM “ripostaram” e os guerrilheiros da Renamo “fugiram em debandada”

Maputo (Canalmoz) – A vila sede do distrito de Marínguè, província de Sofala, foi alvo de um ataque registado ao amanhecer desta terça-feira, supostamente protagonizado por homens armados da Renamo, apurou o Canalmoz de fontes na província de Sofala.
O principal alvo dos atacantes, segundo fontes no terreno, foi o Comando Distrital da Polícia, local onde se encontra estacionada a Força de Intervenção Rápida (FIR) mas também foi atingido o edifício do Governo do Distrito de Marínguè.
Por enquanto as informações são escassas, sendo por isso que não conseguimos apurar se houve ou não vítimas humanas.
Segundo o repórter correspondente do Canalmoz em Manica, José Jeco, a seguir ao ataque as Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) ocuparam a vila de Marínguè e a população local está a fugir em direcção a Macossa, na vizinha província de Manica.
Uma fonte do aparelho do Estado disse ao Canalmoz que há tropas do Zimbabwe envolvidas nos combates, dando apoio ao exército moçambicano. Helicópteros foram vistos na noite de ontem e durante esta manhã a sobrevoarem os distritos de Marínguè.
Em Maputo, uma fonte da Renamo confirmou o ataque, mas não quis entrar em pormenores alegando que "doravante esse tipo de assunto não poderá ser tratado ao telefone".

"Confirmo que houve ataque em Marínguè, com obuses! Mas não houve resposta. Tudo está sob controlo", disse a fonte.
Também uma fonte do partido Frelimo em Sofala, concretamente em Marínguè, confirmou o ataque sem entrar em detalhes.
"A informação de que disponho neste momento é de que dispararam contra o Comando da Polícia, e depois fugiram", disse a fonte sem adiantar se houve ou não vítimas.
O Canalmoz procurou ouvir a versão da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Sofala, através do seu porta-voz Mateus Mazive, mas este disse que se encontrava com problemas de saúde, pelo que devíamos entrar em contacto com o Departamento de Relações Públicas da corporação.
Naquele departamento, as fontes que nos atenderam não confirmaram nem desmentiram a notícia, tendo optado por nos submeter ao director da Ordem do Comando Provincial da PRM em Sofala, Aquilasse Kapangula "que é a pessoa que fala sobre esses assuntos". Do senhor Kapangula não conseguimos nenhuma informação dado que não atendia à nossa chamada telefónica apesar de muita insistência. (Bernardo Álvaro/Redacção)
Enviar um comentário