Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Milionário russo processa general angolano Kopelipa em Londres


O milionário russo Arkady Gaydamak está a processar, em Londres, o general angolano Hélder Vieira Dias, ministro de Estado e chefe da Casa Militar de José Eduardo dos Santos.
O alto responsável do Estado angolano, também conhecido por general Kopelipa, é acusado por Gaydamak de o enganar e intimidar a assinar um acordo judicial em 2011 com o magnata dos diamantes Lev Leviev, avançou o jornal britânico The Guardian este fim-de-semana.
Além do general, o russo também está a processar António Carlos Sumbula, o líder da diamantífera angolana Endiama, controlada pelo Estado, por este ter alegadamente ajudado Kopelipa.
Segundo os documentos judiciais, o milionário russo só assinou o acordo após Kopelipa ter insinuado que Lev Leviev iria pagar a Gaydamak uma compensação no valor de 365 milhões de euros. Além do dinheiro, o russo também alega que o general lhe terá oferecido imunidade diplomática numa altura em que França estava a tentar extraditá-lo por fraude fiscal.
“A posição do general Kopelipa em Angola era tal, que tinha o poder de impedir o senhor Gaydamak de deixar Angola e de prendê-lo sem causa ou julgamento”, segundo os documentos do tribunal citados pelo The Guardian. “Em Angola, a sua palavra tem a força da lei”.
Mas as promessas não foram cumpridas, diz Gaydamak, alegando que Kopelipa e Leviev conspiraram provocando assim uma “quebra de confiança desonesta”, estando por isso a processar ambos no Reino Unido por danos irreparáveis.
Dinheirovivo.pt

Enviar um comentário