Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

domingo, 27 de outubro de 2013

Luís enganou a morte até chegar a sua vez


Pescador ainda foi resgatado vivo por um dos seus companheiros, que lhe enfiou uma boia e não o largou, mas viria a falecer, sábado, no Hospital de Coimbra. Tinha 48 anos, era solteiro, da Póvoa de Varzim, já não tinha pais e morava com a irmã. Foi pescador toda a vida.

JOSÉ MIGUEL GASPAR
jn.pt




Há dois meses, quando o barco "Jesus dos Navegantes" perdeu na Figueira um pescador que caíra à água - Carlos Novo, "Canário", 28 anos, o seu corpo nunca mais foi encontrado -, Luís Santos ficou com a sensação estranha e fria de que devia alguma coisa à morte. E disse-o à irmã: "O Carlos morreu porque eu não fui nesse dia. A morte levou-o, foi ele em minha vez"...
É a irmã de Luís que reproduz as palavras do irmão desses dias cismáticos de agosto. "Aconteceu, foi um acaso, o meu irmão Luís tinha trabalho de armazém e foi outro pescador no barco. Ainda não tinha chegado a vez dele, mas chegou agora" - diz Fátima Santos em voz sumida. A mulher, que agoniza e não contém o choro, fala à porta da sua casa, um rés do chão no centro da Póvoa de Varzim, onde vivia o irmão. "Já não temos pai nem mãe, ele vivia aqui em família, não tinha filhos, era solteiro, eu e o meu homem tínhamos um quartinho que era dele".
Luís Santos, 48 anos, que foi pescador toda a vida, saiu do naufrágio de sexta-feira à tarde em paragem cardiorrespiratória, sem consciência, mas ainda vivo. Agarrou-o um companheiro, o "Pico", que o viu desvanecido, enfiou-lhe uma boia e nunca mais o largou.
"Ainda o levaram, coitadinho, para o Hospital da Figueira e durante a noite foi transferido para Coimbra, mas parece que não vinha a si. Tivemos muito medo mas havia esperança", diz a mulher a soluçar. "Hoje, era meio-dia, recebemos a chamada: o Luís tinha morrido".
O corpo do pescador será autopsiado segunda-feira. O funeral deverá realizar-se na terça-feira, na Póvoa de Varzim.
foto João Manuel Ribeiro/Global Imagens


Fátima Santos, irmã de Luís Santos
Enviar um comentário