quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Bureau político do MPLA indignado com conteúdo de um comunicado da Unita datado de 15 de Novembro




O bureau político do MPLA diz estar indignado com o conteúdo de um comunicado da UNITA, datado de 15 de Novembro, no qual utiliza uma linguagem insultuosa e lança várias calúnias contra as instituições do estado angolano.

RNA.

O mesmo aponta em particular contra o mais alto mandatário da Nação, o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, tornou público nesta quarta- feira, 20/11, a RNA.

Em causa está o desaparecimento dos cidadãos, Alves Camulingue e Isaías Cassule, ocorrência que está já a ser alvo de um processo-crime instaurado pela Procuradoria-geral da República.

O MPLA considera que a UNITA está, claramente, a fazer de forma irresponsável um mero aproveitamento político de uma ocorrência grave que mereceu, da parte de quem de direito, um expediente investigativo que já deu lugar ao respectivo processo-crime.

Por isso, o bureau político do MPLA julga, absolutamente, desproporcional e oportunista a convocação de manifestações de rua sobre pretexto de repúdio contra o desaparecimento destes cidadãos.

De acordo com o comunicado, o único propósito da UNITA é clamar por uma mudança de regime fora de qualquer legitimidade democrática, visando criar uma situação de caos e anarquia com violência, subversão e terrorismo, preparando uma antecâmara para um novo conflito.

Para o MPLA, ao convocar uma manifestação de rua sobre o pretexto de repúdio contra as mortes de Alves Camulingue e Isaías Cassule, e quando clama por mudança fora do acto eleitoral, a Unita pretende criar o caos e a anarquia e tentar levar o país para se tornar refém dos seus caprichos, bloquear as instituições e causar o retrocesso no desenvolvimento do País.

O bureau político do MPLA apela pois ao bom senso e a serenidade de todos os angolanos, exortando aos seus militantes, simpatizantes e amigos, a manterem-se vigilantes, neutralizando e denunciando todas as manobras que visam reinstalar o caos e a desordem no país.

Enviar um comentário