Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Resolução sobre a renúncia do presidente José Eduardo dos Santos


Considerando que a Nação angolana está gravemente doente e refém de um só homem que já perdeu a legitimidade para continuar a governar o País;
Considerando que o regime instalado e chefiado pelo Presidente José Eduardo dos Santos viola impunemente os direitos fundamentais dos cidadãos, sequestra os Tribunais e a comunicação social e defrauda os processos eleitorais para subverter a democracia e a legitimidade constitucional para o exercício do poder político;
Relevando-se por demais evidente que o Presidente José Eduardo dos Santos transformou o Estado numa oligarquia corruptora, que desvia os recursos públicos para acumular fortunas ilícitas no país e no estrangeiro, à custa do sofrimento da vasta maioria do povo angolano;
Considerando que já não existem condições políticas nem legitimidade moral para o Presidente José Eduardo dos Santos continuar a governar Angola;
Interpretando o sentimento geral da vasta maioria da sociedade angolana, em particular da sua juventude;
No interesse da paz, da estabilidadea da Nação e de uma transição pacífica e inclusiva para a construção de uma Nova República;
A Comissão Política da UNITA decidiu convidar o cidadão José Eduardo dos Santos a renunciar com dignidade e civilidade republicana ao mandato que outorga, nos termos previstos no artigo 116º da Constituição da República de Angola.

Luanda, 9 de Novembro de 2013
A Comissão Política da UNITA
Enviar um comentário