Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Quem pôs na Constituição que as manifestações não precisam de autorização é o regime.


Meus caros,

Estou a seguir o telejornal da TPA e ver o esforço que o regime está a fazer para pôr a falar algumas pessoas que se dizem "contra a manifestação" convocada pela UNITA, para o próximo sábado, dia 23 de Novembro. Primeiro, o ridículo de estar a colocar gente que diz estar contra uma manifestação. Desde logo, parece que eles apoiam que Isaías Cassule e Alves Kamulingue tenham sido assassinados por se terem manifestado. Se eles são contra as manifestações.... a que outra conclusão chegar? Segundo: porque razão associar uma simples manifestação a hipotética desestabilização e "guerra"? Quem colocou o direito de manifestação na Constituição da República é o regime. Quem pôs na Constituição que as manifestações não precisam de autorização é o regime. Se o regime sabia que manifestação é sinónimo de confusão, desestabilização e guerra, então pretendia fazer a guerra. Se sim, contra quem? Terceiro: todos sabemos que o dia da JMPLA é o 14 de Abril (imposto aos jovens angolanos todos como sendo o "dia da juventude angolana"). Hoje, ficamos a saber que, afinal, o dia da JMPLA é precisamente o 23 de Novembro (para coincidir com o dia aprazado para a manifestação), pelo que os jovens ligados ao MPLA querem fazer uma manifestação, nesse mesmo dia 23. Para fechar o ciclo, a Polícia Nacional, no encontro com a direcção da UNITA, na tarde de hoje, diz que recebeu, para além da comunicação da UNITA, uma outra da JMPLA para se manifestar em festejo do seu "novo" dia, pelo que aconselha que a UNITA, que até comunicou primeiro, desista de fazer a sua manifestação. Devo aqui sublinhar, sobre esse "novo" dia da JMPLA, que estive ao lado de uma ex-dirigente da JMPLA, ONTEM, quando, ao telefone, ela confirmava a alguém (certamente do seu partido e da sua organização juvenil), que a JMPLA foi fundada a 23 de Novembro. Coincidência? O comunicado do Bureau Político do MPLA, a campanha levada a cabo pela TPA (que certamente não colocou as pessoas que se teriam pronunciado a favor da manifestação), as declarações daqueles "comentaristas" que defenderam o comunicado do BP do MPLA, incluindo o Sr. Bento Kangamba, um traficante de seres humanos (verdadeiro criminoso que devia a esta hora estar na cadeia e não a falar na televisão), isso tudo mostra que o regime está com medo. Com medo do Povo Angolano. Se assim não fosse, porquê tanto medo de uma simples manifestação pacífica, se até tem "muita" gente que diz que não vai juntar-se à mesma? O regime está no fim.
Raúl Danda. Facebook
Enviar um comentário