sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Ponto da situação sobre a manifestação marcada para sábado ,dia 23



Senhores jornalistas

Compatriotas e amigos:

Como é do conhecimento público, a UNITA convocou para o próximo Sábado, dia 23, uma manifestação popular para exprimirmos a nossa indignação pelos bárbaros assassinatos de Isaías Cassule e Alves Kamulingue, recentemente trazidos a público pelo portal Club K.

O grau de adesão à manifestação é bastante elevado. Várias organizações cívicas, políticas, profissionais, religiosas, têm manifestado o seu interesse em participar. Milhares de cidadãos exprimiram também o seu desejo de dizer ”Basta”! “Chega de prepotências”.

O objectivo desta conferência é apresentar aos angolanos o ponto de situação dos preparativos em curso e os elementos fundamentais ligados à organização do evento.

Objectivo

O objectivo da manifestação é exprimir a nossa dor, a nossa repulsa pelos bárbaros assassinatos dos nossos irmãos Kassule e Kamulingui. É dizer bem alto que a vida é sagrada. Nenhum governo, eleito ou não, tem o direito de raptar e matar pessoas. Seja por que motivo for. Queremos também dizer que queremos viver em paz, em liberdade e em democracia. A ditadura tem de acabar e dar lugar à democracia como consagra a Constituição.

Duração

A manifestação começa no dia 23 e termina no mesmo dia 23. A Concentração começa às 9H00. O trajecto começa às 13H00 e tudo termina de forma ordeira por volta das 16H30.

Âmbito

A manifestação será realizada em todo o país, tendo cada província uma estrutura organizadora que trabalha sob os auspícios da estrutura central.

Local de concentração e trajecto

Em Luanda, as pessoas deverão sair em grupos das suas casas e dos seus bairros de forma organizada para se concentrarem junto ao Cemitério da Santa Ana. A concentração começa às 9h00 e vamos todos partir em marcha lenta até ao Largo da Mutamba, na Baixa de Luanda. Aí haverá um acto político que culminará com a leitura de um Manifesto a ser entregue às autoridades Competentes dia 25. Este é o trajecto comunicado às autoridades competentes, nos termos da lei.

Tipo de manifestação

Será uma manifestação pacífica e ordeira. Uma expressão de dor e de luto. Uma demonstração da nossa cidadania e da nossa determinação de vencer a cultura da morte e da intolerância, substituindo-as pela cultura da vida, da liberdade e da democracia.

Indumentária

Cada um veste o que tiver. Porém, a organização recomenda que privilegiemos as cores branca e preta, símbolos da paz e da dor.

Quem quiser levar as suas velas, pode levar. Quem quiser levar seus cartazes, símbolos e bandeiras, pode levar. Tragam também água, bolachas, chapéus ou lenços para se protegerem da radiação solar.

A UNITA convocou e organizou, mas é uma manifestação de todos,para todos exprimirem a sua dor, a sua indignação e a sua solidariedade.

Apelar ao coração
Caros angolanos, a nossa mãe – Angola está doente. Nós, filhos, temos de salvá-la para nos sentirmos livres. Somos amigos de países vizinhos como a Namíbia podendo ser “madrasta” mas a nossa mãe chama-se Angola para além da qual nada mais temos.

Segurança institucional

Para gantir a segurança de todos a UNITA escreveu ao Senhor Ministro do Interior, ao Director Geral dos SINSE e ao Senhor Comandante Geral da Polícia Nacional. Estas são as entidades do Estado responsáveis pela segurança das pessoas e pela ordem pública.

Recebemos o apoio de todos. (Documentos de Sua Excia Sr Ministros do Interior e do Cmdte Geral da Policia).
Recordamos a boa colaboração que existiu na organização da manifestação de 19/5/2012 da parte dos órgãos de Defesa e Segurança.
A Comissão ligada aos Assuntos Diplomáticos está contactando as várias Chancelarias no nosso País para instá-la dos mecanismos da manifestação.

É assim que funciona um Estado sério. Não há interferências de entidades estranhas ao Estado. E muito menos em linguagem belicista, própria de tiranos que não conhecem a civilidade republicana.

Segurança Democrática

Além da segurança institucional, vamos também garantir a segurança democrática das pessoas. O que é isso?

A segurança democrática é aquela que provém da nossa própria condição de homens e mulheres livres e soberanos! Nós,o povo de Angola, somos o soberano em Angola. Acima do povo, não há poder nenhum.

O governo é formado pelo povo. Portanto, está abaixo do povo. Esta convicção liberta-nos do medo.

Ninguém deve ter medo. Vamos todos à manifestação! Vamos mostrar a nossa dor e a nossa indignação.

Nenhum Partido político, mais para lá ou mais para cá, substitui o Estado. Se a Constituição manda o povo fazer manifestação, quem é que de mente sã pode dizer que a manifestação significa guerra? Se os órgãos do Estado apoiam a manifestação garantida pela Constituição, que Partido é esse que se arvora em contrariar a Constituição e sobrepôr-se ao Estado?

Isto é deliquência! O tempo dos Partidos-Estado acabou há mais de vinte anos! O tempo da tirania e da prepotência acabou!

Os angolanos estão a rejeitar as ameaças e os discursos antigos do tempo de Partido único.

Nenhuma ditadura amedronta este nível de convicção e de consciência cívica. Haverá milhares de angolanos com esta consciência na manifestação! Eles constituem um outro cordão de segurança para a manifestação.

Caros Angolanos
Vamos todos construir a Paz no nosso País.
Vamos repudiar a ditadura e construir a democracia.
A Comunidade Nacional está informada e a Comunidade Internacional também esta informada de que vamos chorar os nossos mortos atirados aos jacarés o que por si só também viola o artigo 39º (Direito ao ambiente).
Vamos todos à manifestação pacífica em busca dos nossos direitos.

Muito obrigado.
Secretariado geral da UNITA
Enviar um comentário