quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Cumplicidade institucional - Raul Diniz



Malanje – Como cidadão atento, preocupo-me com o momento temerário que o nosso país atravessa. O regime tem vindo a tomar medidas que a todos preocupa motivado pela precariedade da sua mediocridade, que em nada favorece o bem-estar do povo, nem equilibra o desenvolvimento sustentado da nossa economia, e muito menos concerta o desajustado sistema de segurança nacional, que venha a privilegiar no país, a liberdade de ir e vir e a liberdade de imprensa plasmada na lei e na constituinte.
                      
A FAMÍLIA DOS SANTOS PRIVATIZOU PARA SI O ESTADO
Fonte: Club-k.net

O caducado sistema politico privatizado até a medula pelo ancião José Eduardo dos Santos está completamente transformado em instituições putrificadas, que mais se parece como uma manta de retalhos envelhecida.

José Eduardo dos Santos subtraiu segurança das populações em beneficio pessoal, diminuiu a ênfase da educação das populações havidas por adquirir conhecimento, monopolizou o poder, reduziu a democracia institucional privando as liberdades de circulação das populações e atropelou criteriosamente a liberdade institucional da imprensa que todos queremos livre e independente, e, para terminar Eduardo dos Santos privatizou por completo o estado em seu beneficio e da de sua filharada composta de ladras e de bandidos fidalgos pés de salsa!

A GATUNAGEM INSTITUCIONALIZADA CIRCULA EM TORNO DA CORRUPÇÃO GLOBAL

Apenas um reduzidíssimo núcleo que circula em torno de Dos Santos tem acesso à saúde em clínicas privadas pertencente a membros com ligação ao poder, e por acréscimo, esse núcleo restrito de personalidades intocáveis do regime, são os únicos com acesso privilegiado a procurar tratamentos no exterior do país, como acontece nesse momento como próprio presidente da republica, que se encontra no exterior em Barcelona Reino de Espanha, onde procura tratar-se de vários canceres residuais na prostata, garganta e intestinos.

Por causa desses e outros mais graves motivos como a subordinação dos proventos financeiros produzidos no país, encontrarem-se estritamente circundados com exclusividade nas mãos do Presidente da ditadura e na de alguns perigosos meliantes mangas pés de salsa adúlteros pertencentes à família real, e na de desprezíveis colaboradores egoístas inescrupulosos.

Por outro lado temos um reduzido número de súbitos internacionais amigos do alheio, que se revezam em torno do tirano rodopiando de soslaio em busca do que sobeja dos constantes roubos.

Por esse motivo, Angola esta a deriva e circula dividida em torno da pérfida periferia decadente do mercado ilusório da ilicitude criminosa da corrupção global. Angola foi transformada num corpo inerte de carne putrificada, aonde cada abutre vem debicar seu bocado sem quaisquer ressentimentos.

OS ENDIABRADOS ABUTRES BAJULADORES NACIONAIS E ESTRANGEIROS SÃO OS VETORES DA NOSSA DESGRAÇA NACIONAL

Uma só família e alguns amigalhaços nacionais e externos são os principais accionistas privativos dos activos do nosso apertadíssimo PIB e, portanto são esses senhores o inimigo público número um da nossa inigualável desgraça nacional.

Ao longo dos anos e após a nossa independência, a 11 de Novembro de 1975, temos sido conduzidos para o precipício pelo partido dos camaradas MPLA/PT e até hoje somos levados para o abismo pelo MPLA/JES.

A partir do ano de 1979 a família Dos Santos transformou em pedacinhos apetecíveis toda nossa riqueza colocando-a a posterior a disposição de irrequietas criaturas vampirescas provenientes dos mais variados países, como a Rússia, Cuba, China e, sobretudo o país produtor dos mais miseráveis “cromos” bajuladores, o perdido e miserável Portugal.

Essa corja de odiosos aventureiros são os verdadeiros verdugos e promotores responsáveis da nossa desgraça actual, e continuarão a sê-lo futuramente se não colocarmos nisso um ponto final imediato a essa desenfreada carniça.

Por outro lado temos de apontar o dedo ao actual co-responsável dessa desventurada gestão necrológica incomum que a todos comove. Temos todos de criar mecanismos apropriados para neutralizarmos a corja de gatunos, que saqueiam e dá cobertura legal a toda nossa riqueza desviada para destinos estranhos no exterior do nosso país.

A CULPA DA NOSSA DESGRAÇA TEM DUAS VELOCIDADES QUE SE COMPLEMENTAM ENTRE SI

Nesse quesito, a culpa tem dois caminhos que se conduzem a duas velocidades para dois sentidos distintos, que se completam um ao outro, e, apesar da amplitude exígua da sua coordenação, ambos estão ligados a princípios disformes e completamente obsoletos na sua forma maligna.

Por um lado, temos os abutres conduzidos pelo chefão mafioso Eduardo dos Santos, e, por outro temos de ter a coragem de apontar o dedo aos partidos da oposição parlamentar e responsabiliza-los de serem igualmente responsáveis directos da nossa miserável desgraça.

Pessoalmente não temo responsabilizar principalmente o maior partido da oposição parlamentar de ser a principal apólice de seguro que ajuda de sobremaneira a o regime antidemocrático, a manter-se incólume no poder com a parceria institucional existente entre a UNITA e o MPLA/JES partido da situação, e tudo isso a revelia dos seus apoiantes que votaram neles no pleito fraudulento de 31 de Agosto de 2013.

O DISFARCE DAS OPOSIÇÕES PARLAMENTARISTAS

Em Angola temos partidos disfarçados de vanguardistas, quando na verdade trata-se de partidos retrógrados sem ideologia que ajude a defini-los como progressistas. Sobretudo pelas suas inadequadas práticas virulentas de traição imoral aos objectivos pretendidos pelo povo desesperado.

Por outro lado, temos igualmente em Angola um regime que enganosamente se veste com pele de regime democrático, quando na verdade trata-se de uma ditadura decrépita; por fim temos uma espécie de Presidente da República que se comporta como um soberano sultão da pior espécie disfarçando-se nele mesmo.

Nesses anos todos que somados perfazem 34 longos anos de poder totalitário, nunca percebemos o que de facto deseja e quer Eduardo dos Santos com os angolanos e com Angola, pois, em tudo que diz e faz nada de significante que beneficie o povo por quem diz trabalhar.

Sempre que o ditador na sua magnanimidade faz perfilar os seus aleivosos discursos destorcidos, deparamo-nos com a força da sua arrogância exprimida na linguagem indisfarçável das suas venenosas e vergonhosas.

No preludio temos a evocação demoníaca das constantes, perseguições, sequestros, assassinatos indiscriminados etc... etc... Eduardo dos Santos é de facto e de direito um grandessíssimo ditador maquiado de democrata, igualzinho aos irmãos Fidel e Raul, de Cuba, Xi Jinping, da China, e Vladmir Putin, da Rússia, dentre outros ditadores com comportamentos draconianos reprováveis!

SAMAKUVA IGUAL A SI MESMO

Porém mesmo sabendo que estamos numa situação de introspecção procurando compreender a verdadeira motivação que levaram aos gravíssimos assassinatos de companheiros nossos que altruisticamente deram a sua vida pela nossa liberdade, os partidos políticos da oposição parlamentar continuam céleres na busca de acordos de paz podre com regime demoníaco de Eduardo dos Santos, buscando garantir para eles a garantia do status social que os envaidece grandemente.

Senão vejamos, após tudo ser feito com o nosso adolescente preso e libertado, os nossos companheiros sequestrados e de seguida assassinados friamente, após o general da mututa, sobrinho de Eduardo dos Santos ser acusado de liderar uma quadrilha criminosa de traficantes de carne humana para prostituição internacional, o grande Isaías Samakuva vem a terreiro pedir civilizadamente a renúncia do Presidente rufia seu parceiro de regime, Eduardo dos Santos!

Desde quando o ditador que mata, e manda matar para se manter no poder, sairia voluntariamente arrependido do poder em alusão ao pedido de retirado feito pelo maninho Sama?

O situacionismo cínico tomou definitivamente conta da mente dos dirigentes dos partidos da oposição parlamentar!  Que chique hein companheiros!

Enviar um comentário