Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Angola. As desgraças do petróleo





O ano de 2014 despede-se com a frustração de muitos governos africanos. A queda do preço do petróleo anuncia desgraças e dramas difíceis de serem superados tão cedo. Ao ritmo que vai o mercado, o vendaval dos preços vai abalar profundamente as economias.

Norberto Carlos

Em África, o susto é ainda maior já que os países dependentes do petróleo não têm alternativas. Se a tendência de queda do preço do petróleo prevalecer, em 2015, esses países podem entrar em crise total e terão poucas oportunidades de crescer e fortalecer as suas economias.
No campo social e político, no continente, alguns países poderão viver momentos de tensão. A queda do preço do petróleo significa sacrifícios, endividamento, retenção de investimentos e aprofundamento da pobreza.
O que sobra, agora, é a desilusão e o desespero. Esta realidade mostra que depender do petróleo é um risco e um erro. Assumir como pilares da economia apenas os recursos de mineração é, no minimo, uma ilusão. Tem sido assim com os diamantes, é assim, ciclicamente, com o petróleo.
É perigoso e arriscado demais depender de fontes finitas de rendimentos cujas regras são ditadas por outros. Essas distorções, visões e manipulações, do mercado, nos levam à humilhação. O que se vive hoje é duro e serve de alerta. É bom olharmos o mundo real com outros olhos. Apostar numa educação de qualidade parece ser o caminho mais sensato.
Os países africanos produtores de petróleo devem aproveitar este recurso natural para potenciar a educação como prioridade absoluta e evitar, mais lá para frente, a extrema dependência. Investindo à sério em educação, o retorno estará garantido, em poucos anos. Este é o primeiro passo, a longo prazo os paises se fortalecem. Tudo o resto virá por arrasto.
A formação pode ser a pedra angular para acabar com a dependência à natureza e à terceiros. Alguém já havia dito que a educação é libertadora. Na verdade, o país que se quer livre e dono do seu destino deve apostar, em si mesmo, no conhecimento dos seus2014.
Os principais acontecimentos que marcaram o ano cidadãos. Esta dependência excessiva ao mercado internacional e ao petróleo, em particular, cujo barómetro de medição é determinada, fundamentalmente, pelas economias robustas, periga a estabilidade dos fracos. Põe em risco a prosperidade e o futuro dos nossos povos e nações.
Os desenvolvimentos políticos e militares, no Médio Oriente e no Norte de África, indicam o comportamento actual, do mercado de petróleo. Ele nunca foi inesperado. O caos na Síria, no Iraque e a divisão da Líbia, por grupos armados, sempre indiciaram um futuro incerto para o comércio internacional do petróleo. Essa situação que se coloca, hoje, vem de longe.
É o manisfesto dos interesses dos países que estão na origem das tensões criadas no Oriente Médio. Esses interesses já faziam antever o que vemos nos nossos dias de forma mais objectiva. Quem ganha, duplamente, com a queda do preço do petróleo, são as economias industrializadas e quem perde, também, ao dobro são os países em desenvolvimento.
Não espanta, por isso, que alguns paises aliados produtores do crude se recusem a baixar a produção quando os verdadeiros culpados da desgraça observam, em cima do muro, e esfregam as mãos de contentes. Tratando-se de questões vitais para a nossa sobrevivência não podemos continuar tão frágeis, explorados e prestigiando o poder de outros sobre nós. O petróleo é um recurso africano que não pode ser banalizado.
Ele deve ser aproveitado ao limite e bem rentabilizado para que os seus resultados contribuam para gerar outras fontes produtoras de riquezas e bem estar social dos povos. As sociedades actuais, mesmo globalizadas, demandam também por distanciamento e desvinculação dos ditames preestabelecidos e de relações económicas equilibradas.
Não pode haver predominância de uns em relação a outros. No nosso continente, os momentos de glória do preço do petróleo, tem tido efeito ilusório e de imaginária estabilidade que, subitamente, se desvanecem. É que os mesmos que constroem uma realidade que lhes interessa, também constroem a derrocada, logo a seguir.
Procuram na produção aquilo que gostaríam de ter e de ver com os nossos próprios recursos, e, quando isso não lhes interessa, exigem novas posturas ou a reestruturação delas para satisfazer os próprios desejos e anseios. Vamos mudar a nossa perspectiva de futuro. Sonhar e construir um mundo que não seja, constantemente, abalado pela realidade frustrante que nos é imposta.
Chega de fechar os olhos, quando o que se quer ver é o próprio desejo, livre e longe de alterações, submissões e interesses bárbaros. Chega de sermos permanentemente ignorados. Que 2015 traga um baú repleto de felicidades. Festas felizes.


Enviar um comentário