Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

São Tomé e Prínciple quer evitar repatriamento de cinco mil ilegais em Angola





Patrice Trovoada

As autoridades são-tomenses propõem que a situação de ilegalidade em que se encontram os seus cidadãos seja analisada caso-a-caso.

Óscar Medeiros
VOA

O Governo de São Tomé e Príncipe está a negociar com as autoridades angolanas formas de evitar o repatriamento de seus cidadãos em situação irregular em Angola.
Neste momento há mais de cinco mil são-tomenses a residirem ilegalmente no território angolano.
O primeiro-ministro do arquipélago reconhece que a primeira opção do Governo angolano deve ser o repatriamento das pessoas em situação irregular mas também considera que nem todos os casos merecem o mesmo tratamento.
As autoridades são-tomenses propõem que a situação de ilegalidade em que se encontram os cidadãos do seu país em Angola seja analisada caso a caso e já deram início a uma ofensiva diplomática neste sentido.
Esta preocupação das autoridades são-tomenses também mereceu destaque na recente visita do primeiro-ministro Patrice Trovoada a Luanda.
O Governo de São Tomé e Príncipe vai usar todas as ferramentas de que dispõe no âmbito da cooperação entre os dois países para evitar o repatriamento massivo de cidadãos são-tomenses.

Enviar um comentário