terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Empresa de Isabel dos Santos gere mal centralidade "Nova Vida"





A Sonip entregou a pasta do programa habitacional angolano à Imogestin que se confronta com problemas em gerir as centralidades conforme morador do Nova Vida

Coque Mukuta
VOA

O Governo angolano oficializou a saída da Sonangol Imobiliária e Propriedades (Sonip) da gestão do Programa Nacional de Urbanismo e Habitação, responsabilidade que passa para a empresa Imogestin para melhorar a sustentabilidade da operação.
A mudança, anunciada em Julho, deveu-se segundo as autoridades, ao facto de o projecto ter-se confrontado com vários problemas na comercialização de apartamentos, nas novas centralidades construídas pelo Estado.
Contudo, a passagem da gestão do programa para a Imogestin pode não resolver os problemas enfrentados antes pela Sonip. Os moradores do Nova Vida, uma urbanização gerida pelo Imogestin, queixam-se, por exemplo, da falta de estradas asfaltadas.
Um decreto presidencial publicado no final de Dezembro, ao qual a Voz da América teve acesso, cessa oficialmente o papel gestor que a empresa pública Sonangol Imobiliária e Propriedades (Sonip), tinha do Programa Nacional de Urbanismo e Habitação.
A responsabilidade de gestão do programa está agora a cargo da empresa Imogestin. A Imogestin tem como sócios maioritários Isabel dos Santos, e Leopoldino Fragoso do Nascimento, figuras ligadas ao núcleo presidencial angolano.
Segundo alguns moradores da urbanização Nova Vida, construída e gerida pela referida empresa, as ruas da centralidade não estão asfaltadas - " infelizmente passamos muitas dificuldades e a Imogestin não resolve” disse à reportagem da VOA o morador Manuel Mendes. Ele acrescentou que o Nova Vida enfrenta vários outros problemas como o fornecimento de água potável e serviços de saneamento básico.
“No tempo de chuva isso fica mal, e mais, nem mesmo agua potável temos como devíamos” disse.
De recordar que de acordo com o decreto que cessou a responsabilidade da Sonip no programa nacional de urbanismo e habitação, esta empresa do universo da petrolífera estatal Sonangol cessa também o seu envolvimento na área da gestão, construção, venda e transmissão de habitações e activos imobiliários que integram o aquele programa. 
Estas funções são agora da competência da Imogestin. À Sonip foram dados oito dias para proceder à entrega de toda a documentação e informações na sua posse à nova entidade responsável pelo programa. 
À Imogestin caberá agora a responsabilidade de preparar o desenvolvimento dos projectos para as centralidades - cidades com milhares de apartamentos construídas de raiz pelo Estado – como as do Kilamba e de Cacuaco (Luanda).
A Imogestin irá depois anunciar as regras que vão orientar a venda dos apartamentos e das vivendas em fase de conclusão. Por agora estão suspensas as vendas das habitações nas centralidades.

Enviar um comentário