Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Angola, Lunda-Norte. Sargento Celebra Golo Alvejando Menor


por Maka Angola

Um sargento das Forças Armadas Angolanas (FAA), conhecido como “Droga” alvejou hoje o menino Adão Abílio da Piedade Xavier, de 12 anos, com um tiro de pistola no abdómen, ao celebrar o golo de empate do clube militar 1° de Agosto contra o Kabuscorp F.C.

O incidente ocorreu na vila de Cafunfo, no município do Cuango, província da Lunda-Norte.

Um comerciante local teve a iniciativa de instalar um ecrã gigante, junto à sua cantina, no centro da vila, para que muitas pessoas pudessem ver o jogo.

“O meu filho saiu de casa, no bairro Bala-Bala e também foi ver o jogo, na vila”, disse o pai Xavier João Ngueve.

Segundo depoimentos do pai ao Maka Angola, “quando o Kabuscorp marcou o primeiro golo, os civis festejaram e o meu filho também”.

“Quando o 1° de Agosto empatou o jogo, o sargento Droga, emocionado, pegou na pistola e disparou contra o meu filho, atingindo-o no abdómen”, acrescentou. “O meu menino não fez nada, não disse nada, não havia discussão, apenas a emoção do sargento Droga”, lamentou o pai.

Adão Xavier sofreu já uma operação, no Hospital de Cafunfo, e encontra-se em estado grave, segundo o pai.

O município do Cuango, e Cafunfo em particular, é conhecido como palco de violência sistemática perpetrada por militares e guardas de empresas privadas de segurança contra civis indefesos.

Maka Angola soube que a 75ª Brigada de Infantaria Ligeira enviou um forte dispositivo militar para o local do incidente “para controlar a situação” e dispersar a grande aglomeração de populares descontentes que se juntaram no local numa manifestação espontânea de protesto.

Fontes policiais locais informaram o Maka Angola que o sargento Droga não se encontra sob seu controlo, tendo aventado a possibilidade da sua fuga, com apoio dos seus colegas militares. O sargento, um ex-comando, é membro da Polícia Militar afecto à 75ª Brigada.

O activista cívico Enoque Jeremias reportou a breve detenção, no ano passado, do sargento Droga por tráfico de droga. “A carrinha dele Mitsubishi L-200, de cabine dupla, transportava mais de 10 sacos de liamba, proveniente de Malanje, e embateu contra um posto junto à unidade policial do Bala-Bala. A polícia depois soltou-o e a droga desapareceu”, disse o activista.

Segundo Enoque Jeremias “o sargento Droga faz parte de um grupo de militares delinquentes que cometem muitos desmandos na vila de Cafunfo, com toda impunidade. Nada lhes acontece”.

Actualização: O autor do disparo, inicialmente identificado, erradamente, pelo pai da vítima e outras testemunhas como sendo o sargento Droga, foi o sargento Armando Manuel da Polícia Judiciária Militar, 75ª Brigada de Infantaria Ligeira.
Foto: Imagem da rua principal de Cafunfo, com o Hospital de Cafunfo ao fundo.


Enviar um comentário