segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Luanda. O Rapaz que Abalou o Regime




por Maka Angola

Aos 15 anos, Nito Alves teve uma ideia simples e generosa: a de partilhar informação crítica sobre o quotidiano do país, com os seus vizinhos e transeuntes.
Desde o início da primavera árabe, em 2011, Nito Alves tem realizado o seu projecto através de um mural móvel que exibe frente à porta da sua residência, em Viana, Luanda.
Semanalmente, o jovem seleciona algumas páginas dos semanários, com matérias críticas, e cola-as num grande placar de madeira, o seu mural. A sua ideia gerou dezenas de leitores diários, entre vizinhos e transeuntes, que se detêm à sua porta para se informarem.
Por essa iniciativa e pela sua participação em manifestações anti-regime, Nito Alves tornou-se uma figura de referência no Bairro do Chimuco, no município de Viana, onde reside.
Em Dezembro passado, agentes da Direcção Nacional de Investigação Criminal (DNIC) e da Polícia Nacional, cercaram a residência dos seus pais por volta das 3h00 da madrugada para o prenderem. “A polícia revistou até debaixo da minha cama, onde eu estava a descansar com a minha esposa. Nessa altura, o meu filho já tinha abandonado a nossa casa, por causa das perseguições da polícia e de militantes do MPLA”, disse o pai Fernando Baptista. Aos 16 anos, Nito Alves tornou-se um foragido político.
O seu pai é um homem de semblante carregado. É circunspecto. Fernando Baptista é um veterano da Polícia Nacional. Oriundo de Malanje, serviu no Kuando-Kubango durante as famosas batalhas de Mavinga e do Kuito-Kuanavale. Não fala de más recordações da guerra, mas apenas de uma bela memória. “Foi ali onde eu conheci a minha querida mulher, a mãe do Nito Alves”.
Agora, o filho deste casal, entrelaçado pela guerra, é visado pelos círculos de propaganda oficial como o rapaz que incita o povo à violência, à guerra. É elementar, para a realização de uma guerra (convencional, de guerrilha ou combinada), a existência de duas ou mais forças armadas antagónicas. Em Angola, as forças armadas de defesa e segurança encontram-se sob controlo absoluto do governo do presidente José Eduardo dos Santos. Qualquer indício de guerra em Angola não seria senão uma cisão dentro do próprio regime. A eventualidade de uma cisão violenta nas fileiras do regime também não produziria uma nova guerra no país, porque se resumiria a ajustes de contas internos. Um levantamento popular generalizado tem a potencialidade de fazer implodir, com efeito imediato, a indescritível arrogância dos senhores do poder e donos de todas as coisas dos angolanos. Com a generosidade do povo, haveria alguma irritação contra a falta de humildade e a roubalheira dos dirigentes. Ouvir-se-iam clamores de justiça, mas tudo se encaminharia para o diálogo inclusivo e a transição para a era pós-Dos Santos.
Será esse o verdadeiro temor que apoquenta o presidente e desorienta a sua máquina de propaganda? Só os servos do senhor o saberão.
Nito Alves foi detido a 12 de Setembro, em condições rocambolescas. A sua prisão, segundo testemunhos recolhidos em Viana, teria sido inicialmente planeada pelas forças policias como um “desaparecimento”. Os agentes da Polícia Nacional agarraram-no na rua. Nito Alves gritou o seu nome e pediu, a quem o ouvisse, para alertar a Rádio Despertar a dar conta do caso. Um transeunte fê-lo de seguida.
A principal acusação, formulada pelos investigadores da Polícia Nacional contra Nito Alves, foi a deste ter incorrido no acto de difamação do presidente José Eduardo dos Santos.
Na realidade, o trabalho combinado da Polícia Nacional, da Direcção Nacional de Investigação Criminal e da Procuradoria-Geral da República acabaram por causar mais danos à imagem do presidente do que o Nito Alves.
Primeiro, a detenção do jovem ocorreu horas antes do início do Fórum Nacional da Juventude, uma encenação que juntou mais de 3,000 participantes para ouvirem um discurso do presidente dirigido à juventude.
Segundo, a conferência de imprensa da Polícia Nacional, na sexta-feira, prova, de forma clara, que o regime do presidente José Eduardo dos Santos é uma ditadura. Numa democracia não se prendem pessoas que pretendem manifestar-se pacificamente contra o governo ou jovens que usam camisolas a chamar ditador ao presidente. Isso é um sinal de que o regime não tem qualquer tolerância para com a liberdade de expressão dos seus cidadãos. Ditador, ladrão, corrupto, são insultos comuns aos governantes em democracia.
Para além do seu tom de brutalidade, o comunicado da Polícia Nacional é ridículo e reminiscente… Quantos pessoas teriam sabido da existência das 20 camisolas ofensivas à imagem de Dos Santos?
Além disso, durante o seu interrogatório e na cela da esquadra do Capalanca, onde passou a primeira noite, antes de ser transferido para as celas da Direcção Provincial de Investigação Criminal (DPIC), Nito Alves revelou os seus dons de mobilização. Politizou os outros detidos sobre o regime e os seus actos e juntos fizeram coro contra as injustiças, para irritação dos seus guardas.
Agora, o Nito Alves, aos 17 anos, é uma figura de referência contra o regime corrupto do presidente José Eduardo dos Santos. Essa é uma proeza da Polícia Nacional que o encarcerou. É aqui que o servilismo, a incompetência e a propaganda começam a ter um efeito contraproducente e irreversível. Estão a dar corpo e crédito ao movimento popular de contestação ao regime.

Fernando Baptista e Adália Chivongue, pais de Nito Alves, em sua casa.


Companheiros de luta de Nito Alves junto ao mural que se tornou famoso, no bairro Chimuco, em Viana.

Enviar um comentário