Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

domingo, 8 de setembro de 2013

População acusa o executivo de desinteresse na resolução dos problemas dos angolanos


A população da Província do Namibe mostra-se completamente agastada com a falta de vontade política do Executivo Angolano na resposta que se impõe, aos problemas sociais que estão a dizimar muitos Angolanos. Os cidadãos descontentes, falam de forma particular da região sul do País, onde a fome e a sede apoquentam as pessoas e os animais, estes, que morrem a todo momento em grande escala, uma realidade provocada pela seca crónica que graça a região sul, diante do olhar sereno de quem governa.

Para a população, os grandes investimentos que o Executivo emprega na construção de infra estruturas para o País acolher o mundial de hóquei em patins no mês em curso de 20 à 28, deixam claro que as pessoas e os seus animais estão a morrer à fome, não por falta de verbas no País, mas por falta de vontade política do Executivo, a quem acusam de estratega em ludibriar o mundo sobre a imagem do País, enquanto o seu povo morre à fome.

Eles acham que os problemas da seca na região sul do País, podem ser prevenidos, bastando para tal, a vontade política do executivo.

“Eu na verdade, antes tinha algumas dúvidas, se o nosso Governo estava interessado, ou que tinha políticas a favor dos Angolanos. Mas agora, deu para ver que este Governo está mesmo caduco e a melhor coisa que faria é demitir-se, para não causar o pior aos Angolanos. Investe muito dinheiro, para um evento de apenas 8 dias, o tal de hóquei em patins”, criticam os populares.

Quem também emitiu sua visão sobre o assunto, é a sociedade civil, que diz não estar contra a realização do mundial de hóquei em patins, mas sim, contra investimentos de avultadas somas em dinheiro no mundial de hóquei em patins, aos olhos do autóctone que morre a fome. Eles entendem que o Namibense não está animado para assistir à eventos que visam conferir ao país, uma imagem que lhe não corresponde.

“Nós temos certas populações a padecerem com os problemas da seca. E a seca causa problemas graves de saúde. Temos o caso do gado que está a morrer por falta
de água, como por exemplo nos municípios do Virei, da Bibala e do Camucuio, os mais afectados” Na visão dos ativistas cívicos, a importância que o Executivo dedica ao mundial de hóquei em patins, fosse para a população, seria um balão de ar fresco na solução dos problemas da população.

“Naturalmente, teríamos conseguido marcar passos significativos e teríamos reduzido a pobreza que se regista, não só aqui na nossa Província, mas em todo País.

Concretamente falando do Namibe, tudo está a ficar bonito. Mas agora, este povo tem luz? Este povo tem água? Este povo está a comer? A Juventude tem educação?
Tem emprego? Ou então as mamãs vão continuar a zungar deambulando para ganhar 50 Kz, 100 Kz, para dar de comer aos seus filhos?! Está correto assim?” Interrogam-se os membros da sociedade civil.

Enquanto isto, o Governo tem feito constantemente apelos à população, a envolver-se no mundial de hóquei em patins, que acontece de 20 à 28 de Setembro de 2013, de que a Província do Namibe vai acolher uma fase.

O coordenador do Comité organizador Gonçalves Muandumba afirmou numa das suas visitas à Província do Namibe, que o País vai ganhar muito com a realização do mundial de hóquei em patins.

Por: Catraio Calebe
UNITAANGOLA.ORG




















Enviar um comentário