Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Agência do BIC assaltada e mais de 18 milhões de kwanzas levados





Lubango - Um grupo de seis elementos armados, ainda não identificados pela Polícia, roubou, na madrugada de sábado, mais de 18 milhões de kwanzas e divisas estrangeiras durante um assalto a uma agência do BIC, na cidade do Lubango.

Fonte: JA

O porta-voz do Comando Provincial da Huíla da Polícia Nacional disse que os assaltantes aproveitaram o fim-de-semana para realizar o assalto à 1h00 da madrugada à agência bancária, de onde levaram também 47.394 dólares americanos, 4.130 dólares namibianos e 17.201 euros, além de uma câmara de vídeo-vigilância, dois computadores e um servidor de comunicação.

O superintendente chefe PaivaTomás informou que os guardas foram surpreendidos e desarmados pelos assaltantes e admitiu a possibilidade de algum funcionário estar envolvido no crime. “As forças da ordem estão a investigar o caso para serem encontrados os culpados”, declarou o oficial superior da Polícia Nacional.

Investigação policial

O director provincial de Luanda da Ordem Pública disse há dias que alguns funcionários bancários são os principais facilitadores de informações aos marginais sobre clientes que movimentam avultadas somas.

O superintendente chefe Mateus André fundamentou a acusação com o facto de terem chegado ao conhecimento da Polícia, para investigação, casos de pessoas que após levantarem avultados valores foram perseguidas por marginais, que dispunham de dados específicos fornecidos por  bancários.

O oficial superior da Polícia referiu que a corporação continua a investigar eventuais ligações de trabalhadores bancários a marginais que em Luanda assaltam pessoas à saída de bancos.
Enviar um comentário