segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

CASA-CE e PRS denunciam "apropriação ilícita" de bens públicos por privados


A CASA-CE e o PRS saíram à rua para denunciar aquilo que consideram ser a "apropriação ilícita" de bens do públicos por privados na cidade de Saurimo na Lunda Sul. A manifestação acabou por ser escoltada pela polícia que tentou impedir, sem resultado, o percurso.
A marcha estava inicialmente prevista para o dia 12, mas acabou por ser adiada para sábado a pedido das autoridades que alegaram que os desfiles de carnaval poderiam perturbar o bom desenrolar da manifestação, como explicou à RFI, o vice-presidente da CASA-CE, Lindo Bernardo Tito.
" O secretariado provincial convocou para a cidade de Saurimo uma manifestação que tinha a ver com o repudio sobre a apropriação ilicita de bens do Estado naquela província. Essa manifestação foi aderida pelo PRS e por vários cidadãos anónimos.. a manifestação estava marcada para o dia 12 foi atrasada para dia 21, ontem, a pedido e em concertação com a polícia nacional local, alegando actos de carnaval...."
Ontem a manifestação iniciou às 9 horas e uma hora depois a polícia apareceu e tentou, sem resultado impedir o percurso que acabou por ser escoltado pelas autoridades. " Depois de duas horas de negociações entre o nosso secretário provincial, Jordão Matenda, e o comandante provincial, este último compreendeu que havia a legalidade e legitimidade para que a marcha continuasse e assim a polícia escoltou os manifestantes até ao término que foi exactamente o secretariado provincial da CASA-CE".
Lindo Bernardo Tito explica que o objectivo desta marcha foi denunciar aquilo que consideram ser a "apropriação ilícita" de bens do Estado por privados na cidade de Saurimo na Lunda Sul, dando como exemplo o antigo mercado e um terreno nas imediações do hospital da cidade.
"Referiam-se à ocupação indesejada e ao mesmo tempo a transferência da sua titularidade a privados do antigo mercado municipal de Saurimo, que é um bem histórico para a população da cidade e também à alienação de parte do terreno do Hospital provincial da Lunda Sul e outros bens que tem sido transferidos, digamos, de forma não clara para a titularidade de privados".
Sobre o destino destes bens públicos, o vice-presidente da CASA-CE esclarece que tudo se passa sem que a população seja informada, mas que na maioria dos casos são transformados em superfícies comerciais. " Um dos bens que é o mercado municipal vai ser transformado em centro comercial e, o pior é que os cidadãos não são informados quanto é que o Estado arrecadou com essa transferência, que tipo de contrato foi celebrado com a entidade privada o mesmo que está a acontecer com a parte do terreno do hospital provincial, querem ali ampliar as estruturas de um hotel"
O partido na oposição lembra que o papel do Estado é proteger os bens públicos e que estes devem permanecer nas mãos das autoridades de forma a providenciar um melhor atendimento à população. "Devem ser ampliadas as novas estruturas hospitalares de forma a melhorar a oferta dos serviços e a melhoria da qualidade de assistência médica e medicamentosa aos cidadãos e não passando para um privado transformando-os em hotéis".
RFI
ANGOLA24HORAS
Enviar um comentário