Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Em Angola tem trabalhadores a viver em contentores, sem ar condicionado – Sindicato português





O Sindicato da Construção de Portugal denunciou esta quinta-feira a ausência de resposta do embaixador de Angola a um pedido de audiência sobre problemas laborais no país e anunciou que vai pedir a intervenção da Organização Internacional do Trabalho (OIT).
“Lamentavelmente, em termos institucionais, esta situação devia ter sido evitada. Solicitámos uma audiência no dia 31 e até hoje o embaixador não respondeu. É inadequada esta atitude para um diplomata”, afirmou o presidente do Sindicato da Construção, Albano Ribeiro.
Num encontro com jornalistas, em frente à embaixada de Angola em Lisboa, Albano Ribeiro falou dos problemas laborais em Angola, afirmando que afectam “dezenas de milhar” de portugueses que estão a viver em instalações sociais com más condições e a sofrer reduções de salário ou atrasos no pagamento destes.
“Agora é Verão em Angola e sabemos que há milhares de trabalhadores a viver em contentores, sem ar condicionado, e que comem e dormem nos mesmos locais, o que é inadmissível”, contou o presidente do sindicato.
Para exemplificar o “desrespeito” institucional do embaixador, o presidente do sindicato contou ter solicitado também uma audiência ao embaixador do Canadá, país onde as “lesões” em termos laborais não são tão graves como em Angola: “Solicitamos a audiência em 11 de Fevereiro e no dia seguinte confirmaram que nos iam receber hoje”.
Outro dos problemas denunciado pelo sindicato é o recurso pelo Governo Angolano a mão-de-obra chinesa, mais barata, mas que na opinião de Albano Ribeiro não tem a capacidade técnico-profissional dos trabalhadores portugueses. Ao nível da concorrência, “as empresas portuguesas idóneas estão a ter dificuldade em concorrer com as empresas chinesas”, denunciou o sindicalista.
Os dois sindicalistas e os jornalistas presentes no encontro desta quinta-feira com o sindicato foram todos identificados pela polícia, que justificou a necessidade de identificação com o facto de estarem a recolher o depoimento do sindicato, apesar de o terem feito a vários metros da entrada da embaixada.
Também um dos funcionários da embaixada, alegadamente segurança, tentou impedir os operadores de imagem de filmarem a fachada do edifício.
ANGOLA24HORAS
Enviar um comentário